EM REUNIÃO COM A D’ARTHY, SINDICATO CONQUISTA REAJUSTE DA CESTA BÁSICA DOS GRÁFICOS PARA R$ 165 E AGUARDA POSIÇÃO DA EMPRESA SOBRE BANCO DE HORAS

A Lei do Gráfico (CCT), renovada há pouco tempo através da luta sindical na campanha salarial, manteve um importante direito econômico dos trabalhadores para que todas as gráficas da região paguem 65% e 100% de hora-extra quando o trabalho adicional é feito em dias de semana e em feriados/domingos, respectivamente. Na D’Arthy, porém, frente à pandemia e também pela incorporação de outra atividade do setor gráfico na produção, a empresa adotou o mecanismo do banco de horas individual da reforma da lei trabalhista, criado por Temer após o controverso impeachment de Dilma. Sendo que os resultados após tal mudança, dada às controvérsias que a lei gera, elevando o desconforto dos trabalhadores e gerando até mais custos com folha salarial, a exemplo a do último mês na D’Arthy, pode fazer com que a gráfica venha a abandonar esse regime adotado.

“Um dos proprietários (Eduardo) ficou de analisar o nosso pedido para o fim do banco de horas individual. Ele garantiu que vai conversar com as suas irmãs, sócias da D’Arthy em Cajamar. Foi uma reunião amistosa, como tem sido há certo tempo. Todavia, não prometeu nada. Mas nos adiantou que pode abandonar o banco de horas individual depois de saber do desconforto dos gráficos, algo que não lhe deixa satisfeito, tanto que o mecanismo existe desde 2017, mas ele só começou a aplicar ano passado devido às adversidades e sem demitir ninguém”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato.

O diálogo entre o Sindigráficos e a D’Arthy tem sido muito importante para a manutenção e o avanço no conjunto dos direitos da categoria. É o caso da cesta básica. Há anos, a empresa combinou com o sindicato a correção do valor desse direito em todo ano, no mês de janeiro, sempre com base no aumento inflacionário através do IGPM. “O aumento, por sua vez, já será realizado agora em dezembro, dada a altíssima inflação causada pelo desgoverno federal por mais um ano”, informa Leandro. 

O valor pago da cesta alimentícia pela D’Arthy para todos trabalhadores passa para R$ 165 no próximo mês. Além disso, não terá desconto para ninguém. O número de associados ao Sindigráficos é interessante na empresa. Porém, pode e é preciso que aumente para fortalecer essa unidade e organização da categoria em defesa e avanço de seus direitos, emprego, renda e comida no prato.

LEI DOS GRÁFICOS (CCT) GARANTE FERIADÃO PARA TRABALHADORES DA STELLA POR CAUSA DO FERIADO DO ÚLTIMO SÁBADO

Renovada por mais um ano durante a campanha salarial do Sindigráficos, o conjunto de direitos da categoria superior à CLT, chamado de Lei do Gráfico (CCT), possibilitou esse benefício para todos aqueles empregados que compensam a jornada de trabalho do sábado nos dias de semana. A regra é uma das opções da cláusula 52° da CCT. Por esta razão, na última sexta-feira (19), todos os gráficos folgaram na Stella em Caieiras, município onde sábado (20) foi o feriado do Dia da Consciência Negra. E só voltaram para o serviço na segunda-feira (22).

O feriadão dos gráficos da Stella só foi possível porque a cláusula 52° oportuniza para as empresas que compensam a jornada do sábado três opções quando o sábado é feriado. Uma das possibilidades é o feriado-ponte, que é aquele benefício para os trabalhadores onde o dia da folga escolhido potencializa mais dias seguidos de descanso. Normalmente a folga é concedida numa sexta-feira ou segunda-feira.

Outra opção da Lei do Gráfico é não dar folga, mas pagar o equivalente a um dia de trabalho em horas-extras. A Stella já fez isso em anos anteriores. “As empresas, com base nas regras da CCT (Convenção Coletiva do Trabalho) também podem liberar os gráficos mais cedo nos dias da semana em que o sábado é feriado. Se não liberar, precisará pagar as horas-extras ou o feriado-ponte”, explica Carlos Martins, diretor do Sindicato e trabalhador da Stella.

A empresa tem o poder de decidir uma das três opções, mas não é opcional deixar de cumprir. “Logo, deve liberar mais cedo, pagar a hora-extra ou conceder o feriado-ponte, como seguiu a Stella corretamente”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Mês que vem haverá mais dois feriados aos sábados. É importante a categoria conhecer os seus direitos da Lei dos Gráficos, bem como fortalecer o Sindicato para manter a luta por sua garantia e seu cumprimento. SINDICALIZE-SE!

‘VIOLENTÔMETRO’ É LANÇADO EM CAMPANHA PARA O DIA INTERNACIONAL DA NÃO-VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

No Dia Internacional da Não-Violência contra a mulher, lembrado nesta quinta-feira, dia 25, um “Violentômetro“ foi lançado exclusivamente para auxiliar no combate às violências. A ideia foi da vereadora de Criciúma/sc, Giovana Mondardo, que por meio de um marcador de livros, visou colaborar com 20 itens que caracterizam como violência. Segundo a vereadora, o objetivo da ação é reforçar para a população os diferentes tipos de violência que uma mulher pode sofrer. O Comitê Feminino do Sindigráficos de Cajamar/Jundiaí, Vinhedo e Região atua para localizar e combater qualquer tipo de violência dentro do ambiente de trabalho LEIA MAIS

FONTE: Com informações de Engeplus

NATAL E RÉVEILLON SERÃO AOS SÁBADOS E TRABALHO EM VÁRIAS GRÁFICAS NOS DIAS DAS SEMANAS DESSAS FESTIVIDADES DEVE SER MENOR OU PAGARÃO HORA-EXTRA

O Dia da Consciência Negra no último sábado (20) não foi feriado estadual, nem nacional. Mas nos municípios onde foi e com base na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos Gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região, as empresas gráficas desses locais e que têm jornada de trabalho de compensação do sábado e não liberaram os empregados mais cedo nos dias da referida semana, ou não programaram o sistema de feriado ponte anual, estão devendo as horas-extras ao trabalhador. Mês que vem, por sinal, Natal e Réveillon serão aos sábados e essas datas são feriados nacionais, incluindo todas as gráficas com a referida jornada em todas as cidades da região