COM CARESTIA, GRÁFICAS MUDAM PARA CESTA BÁSICA OU PRECISAM CORRIGIR O VALE-ALIMENTAÇÃO, A EXEMPLO DA RC ART EM VALINHOS

Com a descontrolada inflação anual já em 12,47% (INPC), um importante direito conquistado pelo Sindicato na última campanha salarial tem sido crucial para ajudar a manter comida na mesa da família dos gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região: a cesta básica ou o vale-compras. Devido à carestia, que eleva todo dia o preço da comida, tal direito quando é pago através de vale-alimentação já atingiu R$ 196, o que corresponde a 10% do salário bruto da maioria da categoria no Estado de São Paulo. Em Valinhos, por exemplo, várias gráficas já foram informadas pelo Sindigráficos para atualizarem o valor do vale, como a RC Art, baseado na Convenção da categoria. A regra também permite dar a cesta básica. 

“Vivemos um novo fenômeno. Nos governos passados, quando havia o controle inflacionário, a maioria das gráficas optaram por dar o vale. Mas, com a carestia atual, para manter tal vale no lugar da cesta precisa seguir a regra da convenção onde diz que se deve ter correção do valor de acordo com a alta no preço dos alimentos então cobrados nos supermercados da região”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Logo, as empresas devem fazer tal pesquisa e pagar o vale no valor dos alimentos. 

A pesquisa mais recente feita pelo Sindigráficos aponta o valor de R$ 196. Eis o motivo da entidade ter ido até a RC Art em Valinhos. A gráfica ainda não atualizou o vale-compras. Está pagando apenas R$ 125 – valor insuficiente para os gráficos terem garantido seu direito alimentar como defendido pela convenção da classe e diante do descontrole inflacionário provocado pelo desgoverno atual. Logo, é preciso a RC Art adequar tais valores ou garantir a cesta básica, respeitando a convenção. E todos os gráficos da empresa precisam se organizar sindicalmente. Associe-se!

RECANTO EM ITANHAÉM AINDA TEM VAGAS NESTE MÊS ANTES DA PARADA EM JUNHO. VOLTA EM JULHO PARA AS FÉRIAS ESCOLAR DOS FILHOS DOS GRÁFICOS

Aproveitem e façam as reservas no Recanto dos Gráficos em Itanhaém antes da parada em junho, quando estará fechada em função das férias dos trabalhadores do local. Ainda há vagas para estes três últimos finais de semana de maio. Com a redução da pandemia, o Sindicato também já se prepara para receber a categoria e familiares em julho, quando voltará o tradicional período de férias escolar, sendo o Recanto uma ótima opção de lazer e preços especiais para os trabalhadores gráficos e seus filhos. Ligue (11971992087) e não perca.

Além dos preços congelados, bem abaixo das pousadas em Itanhaém, os gráficos sindicalizados ganham uma diária grátis de presente pelos 99 anos do Dia dos Gráficos (07/02). Podem acumular mais diárias grátis a cada novo associado que levar para o Sindicato. Se fizer um sócio ganha uma diária, duas ganha duas, três ganha três. Não existe limite. A promoção visa estimular a categoria a fortalecer sua entidade de classe e também ser reconhecido pelo gesto.

Quanto aos valores das diárias, eles continuam quase iguais aos de 2011, ano em que o sindicato adquiriu o equipamento de lazer da categoria. Até cinco anos de idade, o filho do sócio não paga nada. De seis a 14 anos, a diária custa R$ 25. Acima de 15 anos, paga-se R$ 35. A diária para os convidados do sócio é de R$ 15 (criança até cinco anos), de R$ 45 (seis a 14 anos) e de R$ 60 acima de 15 anos. Para não sócios, é de R$ 20 até cinco anos. De seis a 14 anos, paga-se R$ 60. De 15 anos em diante, o valor é de R$ 80.

Programe-se e faça logo sua reserva para este mês de maio ou somente para depois de junho – mês em que Sr. Dito e a Dona Nice (trabalhadores do Recanto) estarão de férias. O Recanto estará fechado de 30/05 a 30/06, reabrindo a partir de 1° de julho. “Se preferir, já faça sua reserva agora para aproveitar o Recanto no período das férias escolares dos seus filhos. E use suas diárias grátis de acordo com cada promoção”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e de mais 24 municípios. 

GRÁFICOS ENFRENTAM PIOR INFLAÇÃO ANUAL EM 19 ANOS

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias com renda até cinco salários mínimos, registrou 12,47% no acumulado de 12 meses. Esta já é a maior inflação para o período desde 2003, portanto, a mais expressiva em 19 anos no Brasil LEIA MAIS

FONTE: Com informações do IG

CARESTIA DEMANDA AUMENTO DO VALE-ALIMENTAÇÃO EM QUASE TODAS AS GRAFICAS, COMO NA ALPHA EM VALINHOS

Qual o preço do voto? Um deles pode ser visto e sentido pelas empresas e os trabalhadores diante do alto custo de vida pelo descontrole da inflação. Em pouco mais de um ano, a cesta básica da convenção dos gráficos quase que dobrou de preço. Hoje está em R$ 196 nas cidades de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região. E, sempre que aumenta o preço dos alimentos, as gráficas precisam atualizar o valor do vale-alimentação, como define a convenção. É por isso que a Alpha Clicheria, em Valinhos, mesmo sempre tendo um bom diálogo com o Sindigráficos, foi procurada pela entidade de classe para atualizar o valor – situação já respondida pela empresa dizendo que chegará a um bom termo sobre o referido assunto.

A empresa tem sentido o impacto da alta inflação do desgoverno federal. Tanto é que paga vale-compras com valor abaixo da alta dos alimentos da cesta básica dos gráficos cobrados nos supermercados da região. Ao invés de R$ 196, paga R$ 120 – valor insuficiente devido à carestia de Bolsonaro/Paulo Guedes. Apesar disso, pela regra da convenção, precisa atualizar o valor. Assim, o governo tem prejudicado a todos.

 O impacto disso sobre o empregado é ainda maior diante do desgoverno em relação ao poder de compra dos trabalhadores. Além da carestia, o governo também está reduzindo a massa salarial. No seu primeiro ano de mandato, eram necessários 4,39 salários mínimos para comprar uma cesta básica de alimentos definida pelo Dieese e agora são 5,5 salários. Portanto, além do desgoverno sobre o controle inflacionário, também não liga para o salário dos trabalhadores, que perdeu o poder de compra até para alimentar os seus familiares.

É por isso que o Sindigráficos oficiou a Alpha Clicheria para a necessidade dela se reunir rápido para tratar da atualização do vale-alimentação com base nas regras da convenção coletiva de trabalho da categoria. A empresa já sinalizou o interesse pela abertura dos diálogos. O sindicato aguarda para tratar da pendência, bem como da interação dos gráficos do local junto da entidade de classe.

Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos, lembra ao conjunto dos trabalhadores que, apesar da alta da inflação e carestia, não existe no Brasil política de reajuste salarial automática. O valor só cresce com base no nível de união, organização e de luta dos trabalhadores no seu sindicato durante a campanha salarial, mas também antes e depois. Portanto, qualquer melhoria seja no vale-alimentação ou nos salários depende da participação da classe. Seja mais um sócio. SINDICALIZE.

A data-base da maioria dos gráficos paulistas, como todos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região, é em 1° de setembro. Todavia, em função do descontrole inflacionário do governo, que deve chegar a 13% no período, demandará uma luta bem maior que em anos anteriores. Não por acaso o Sindigráficos já começa, neste mês, as assembleias preparatórias com toda a categoria para debater a sua pauta de reivindicação e estratégias. Seja sócio. Sindicalize-se e Participe.