MAIS GRÁFICOS SE SINDICALIZAM NAS ASSEMBLEIAS E A CATEGORIA DECIDE DEFENDER A MANUTENÇÃO DE DIREITOS E A RECUPERAÇÃO DA RENDA PARA PODER SOBREVIVER

Um fenômeno importantíssimo para a organização da classe trabalhadora no início da difícil campanha salarial foi a adesão de novos sindicalizados durante as assembleias realizadas ontem no Sindigráficos em Jundiaí. A iniciativa dos trabalhadores é bem simbólica porque aconteceu mesmo diante da crise econômica com alta inflação e carestia corroendo a renda de todos, limitando até a comida no prato e outros produtos básicos. A correlação entre a atual situação da economia do Brasil e qual a melhor pauta de reivindicação da categoria a ser definida para este ano foi bem debatida. De que adianta o trabalho se ele não servir nem para garantir o básico para sobrevivência? Foi então deliberado como prioridade que todos os gráficos terão a missão de lutar pelo seu trabalho de modo que possam se alimentar e pagar contas.


Neste sentido, foi aprovada a pauta pela manutenção de todos direitos já existentes na convenção da classe, com certas melhorias em relação à alimentação e retorno pleno da PLR, bem como a recuperação salarial. “Isso quer dizer um reajuste com base na inflação de setembro/2020 até agosto deste ano”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato. 


Como a inflação acumulada já passou de 8% nos últimos 10 meses, faltando ainda mais dois meses para completar um ano, será preciso coragem da categoria para não terminar esta campanha com perdas salariais. Não por acaso, em caso de intransigência por parte do setor patronal, a categoria já aprovou previamente durante a assembleia a autorização para que o sindicato possa promover greves nas gráficas e lutar até na Justiça por meio do procedimento do dissídio coletivo. 


A categoria ainda mostrou um certo grau de consciência sobre a pauta prioritária desta campanha salarial. Será a luta pela manutenção da sua convenção de direitos superiores à CLT. E a defesa de melhorias dentro da convenção para poderem aliviar uma parte do peso sobre o bolso em razão do caos econômico no Brasil desgovernado por Bolsonaro. Essa melhoria é possível através da luta pela garantia da cesta básica, com o aumento da quantidade de produtos e redução do desconto salarial, além da defesa pelo restabelecimento da PLR como era antes da pandemia.


A pauta de reivindicação da classe então é bastante justa porque é uma luta digna pela sobrevivência através da manutenção de uma convenção já enxuta e pela recuperação salarial para o gráfico poder ter condições de trabalhar e não passar fome e poder pagar contas básicas, como energia, transporte, vestuário, moradia e etc. A categoria também aprovou uma forma solidária para que o sindicato possa viabilizar a campanha salarial através das atividades sindicais em favor de todos. A assembleia definiu a contribuição assistencial e o direito à oposição. Desde ontem é possível. Segue até a próxima sexta-feira. Das 9h às 16h, exceto na hora de almoço (das 12h01 às 12h59). Desde já, o Sindigráficos aproveita para parabenizar os novos trabalhadores que se sindicalizaram e convida os ainda não-associados para tomarem esta mesma decisão para o fortalecimento da campanha salarial. Avante, a luta continua!

GRÁFICAS TÊM ENTREGUE PARA OS TRABALHADORES VALE-ALIMENTAÇÃO INSUFICIENTE PARA COMPRA DA CESTA BÁSICA

Diferente do que ocorre com muitas categorias profissionais, os gráficos têm o direito a uma cesta básica por mês. Essa é uma conquista da luta sindical nas campanhas salariais todos os anos. Este direito, contido na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), nem sempre é percebido pela categoria com a relevância que possui. Mas essa história muda em anos de alta inflação que corrói a renda da classe. Comida no prato volta a ser a luta prioritária na campanha salarial que começa nesta quinta-feira com as assembleias em Jundiaí com os que sentem o impacto na renda.

A CCT, felizmente, obriga que todas as gráficas, independentemente do seu tamanho ou número de trabalhadores, garantam cesta básica todos os meses. Define inclusive quais os produtos e as suas quantidades. Permite, ainda, que o vale-alimentação no lugar da cesta básica mensal. Porém, para isto acontecer, o valor do vale tem que ser suficiente para a compra dos alimentos nos supermercados da região onde fica a empresa.

A fim de garantir o cumprimento da CCT, sobretudo agora que a inflação tem corroído a renda, o Sindigráficos fez uma pesquisa de preços dos produtos da cesta básica da categoria nos supermercados da região. Em Jundiaí e Cajamar, por exemplo, descobriu-se que o valor médio é de R$ 143. Descobriu que os trabalhadores estão voltando das compras com menos alimentos.  A razão para isto é que quase nenhuma gráfica atualizou o valor do vale-alimentação, com base na convenção.

Jurandir Franco, diretor sindical e responsável pela pesquisa, revela que a maioria das gráficas paga abaixo dos R$ 143 em vale-alimentação. E ainda descontam até 20% do salário dos trabalhadores. Assim, conforme define a CCT, é preciso reajustar o valor do vale de modo que todos os produtos da cesta sejam adquiridos. Se a empresa não corrigir os valores, o sindicato continua à disposição dos gráficos sindicalizados. Denuncie. O sigilo é garantido!

CAMPANHA SALARIAL

Nesta quinta-feira (29), a cesta básica e a manutenção dos demais direitos convencionados dos gráficos serão debatidos durante as assembleias de campanha salarial 2021. A categoria precisa se preparar e participar da defesa do seu poder de compra e pelo direito de ter comida no prato. A assembleia será realizada na sede regional do Sindigráficos Jundiaí, em três horários, às 9h, 16h e às 19h. O edital de convocação já foi publicado no jornal Agora. Participe!

QUINTA-FEIRA: SINDICATO CONVOCA PARA ASSEMBLEIA GRÁFICOS QUE SENTEM A INFLAÇÃO CORROENDO A SUA RENDA

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou a inflação em julho com a sua maior variação para este mês desde 2004. A alta de energia elétrica foi a principal responsável. Também contribuíram para a inflação dos gastos com habitação os aumentos de preços do gás de botijão. Os transportes também tiveram impacto importante. Em seguida, aparecem os grupos alimentação e bebidas, as despesas pessoais, artigos de residência, vestuário e educação. O Sindigráficos quer ouvir a opinião dos trabalhadores durante a assembleia de abertura da campanha salarial 2021, nesta quinta-feira (29), às 9h, às 14h ou às 18h. O trabalhador escolhe um dos horários que melhor lhe adequar. O objetivo é definir a pauta de reivindicação que será levada ao setor patronal, a fim de lutar para reduzir o impacto causado pela altíssima inflação do desgoverno de plantão. LEIA MAIS

FONTE: Com informações da AB 

EM PRÉ-CAMPANHA E A UM MÊS DA DATA-BASE, SINDIGRÁFICOS JÁ GARANTE JORNADA NA INAPEL COM MENOS DIAS E RENDA INTEGRAL

Os trabalhadores da indústria gráfica paulista aguardam ansiosos pela chegada da data anual de referência do reajuste salarial. Falta pouco mais de um mês. Porém, mesmo diante da alta inflação que corrói a sua renda e reduz a comida no prato da sua família, nada está garantido. Tudo dependerá da participação da classe junto ao seu sindicato nas negociações com o setor patronal. O Sindigráficos, que já está em pré-campanha salarial, convocando a categoria para assembleia nesta quinta-feira (29), acaba inclusive de evitar retrocessos para uma parcela da classe diante da pandemia e da crise socioeconômica e política. A entidade conseguiu a manutenção do emprego dos 94 gráficos da Inapel (Jundiaí) com uma jornada semanal de quatro dias de trabalho e três de folgas, podendo atingir até quatro dias de descanso remunerado por semana sem redução do salário.

O Sindigráficos foi recebido por quase todos os trabalhadores da Inapel na última semana, tanto os da produção quanto do administrativo. “Mostraram grande satisfação com a proposta para renovação de um dos acordos que temos com a gráfica. Ouvimos a opinião deles durante as assembleias dentro da empresa em defesa da continuidade do acordo de jornada, sendo aprovado em votação secreta com quase 100% favorável”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e outros 26 municípios.

Além da jornada semanal somente de segunda a quinta-feira, o acordo ainda garante o feriado remunerado do Dia do Gráfico (7 de fevereiro) e o pagamento de hora-extra de 150% se trabalhar em feriados específicos. Estes mesmos direitos avançados são garantidos para os 26 trabalhadores do administrativo. A única diferença é a jornada de trabalho deles que continua de segunda a sexta, largando uma hora mais cedo no último dia da semana.

Os gráficos da Inapel já contam com tais benefícios dessa demonstração pradarias importância do sindicato. Outros acordos importantes para os direitos e sobretudo para a elevação do poder de compra, depende muito do nível de organização sindical dos trabalhadores. Sindicalizem-se e fortaleça a entidade da categoria.

Afinal, os gráficos da Inapel ainda têm pela frente negociações de mais acordos importantes, a exemplo do reajuste salarial, da PLR e sobre melhorias no vale-alimentação. A sindicalização é um processo de amadurecimento político em que todos os 5 mil gráficos da região deveriam evoluir com o objetivo de buscar um maior poder de compra no final desta campanha salarial.