22/02/2012 – BOCA NO TROMBONE

Log & Print

Os companheiros e companheiras da Log & Print conquistaram PLR no valor de R$932,00. Um valor acima da convenção, sendo paga em uma única parcela. Parabéns a todos pela luta! Além disso, depois de intervenção do sindicato foi solucionado o problema do pó do sistema de aparas que tanto prejudicava a saúde dos trabalhadores.

Por outro lado a empresa continua abarrotada de pilhas de bobinas de papel, mas a empresa informou ao sindicato que assim que inaugurar o novo galpão esse problema também será solucionado.

 Bandeirantes

A Bandeirantes foi condenada em primeira instância a pagar uma indenização de R$5.000,00 para uma trabalhadora. Tal decisão é relativa a um processo de assédio moral, onde diversas testemunhas puderam comprovar fatos relatados pela funcionária que caracterizaram o assédio moral.

Abuso e humilhação do chefe, como manda-la limpar bueiros, além de pressionar e persegui-la para mudar de horários, o que foi comprovado também por confissão do próprio chefe que realizou o assédio. A funcionária foi indenizada por danos morais. Além disso, há vári

os trabalhadores reclamando que a empresa continua pagando as horas extras 50% no holleritt e 50% “por fora”.

Rigesa

O sindicato continua negociando reajuste no valor do vale-compra. Os trabalhadores também pleiteiam folga nas vésperas do natal e do ano novo.

O sindicato também cobra da empresa o pagamento de adicional de periculosidade ao pessoal da elétrica e eletrônica e questionando também sobre as advertências e suspensões que vêm sendo aplicadas aos funcionários. Nos próximos dias o sindicato se reúne com a empresa para mais uma rodada de negociação e o sindicato comunicará os resultados aos companheiros e companheiras da Rigesa.

 Nova Página

Ocorreram várias demissões na Nova Página, o que causa estranheza, pois isso vem contra a realidade do nosso país. O sindicato questionará a empresa sobre essas demissões.

 Clicherlux

Os trabalhadores estão se queixando que a empresa não está pagando as horas-extras e obrigando os mesmos á fazer banco de horas. Tal prática

é repudiada pelo sindicato e em desencontro com a convenção coletiva de trabalho. O sindicato solicitará uma fiscalização junto ao Ministério do Trabalho.

 CCL

Mais uma vez a empresa quer “enfiar” um acordo de PPR “goela abaixo” do trabalhador. Muitos reclamam estar recebendo valores muito abaixo ao estipulado na convenção coletiva.

O sindicato solicitou várias vezes os resultados e a empresa se nega a fornecer, o que leva o sindicato á convocar os trabalhadores da CCL á encarar essa luta para acabar de vez com essa palhaçada.

 Jornal da Cidade

O sindicato está realizando reuniões quinzenais com a direção da empresa  para cobrar soluções para todas as irregularidades que vem ocorrendo no JC. Muitos deles já foram solucionados, como acerto na cesta básica, PLR, entre outras coisas. Mas, ainda não está sendo depositado o FGTS dos trabalhadores.

 Jandaia

Depois de muita negociação referente á horário de trabalho, onde os trabalhadores pleiteavam sábado sim

sábado não, a empresa não cedeu em nada e além disso quer “enfiar goela abaixo” um acordo de horas, ignorando totalmente o padrão de acordo que o sindicato faz. Exigimos respeito à direção da Jandaia para que seja realizado um acordo nos nossos moldes.

 Oceano

Depois de muita negociação a empresa aceitou trabalhar sábados alternados, porém tal acordo não pôde entrar em prática por que o Ministério Público do Trabalho não aceitou que os trabalhadores fizessem uma semana de 40 e outra de 48 horas. Nesse sentido repudiamos a decisão do Ministério Público, pois esse acordo iria proporcionar uma vida social mais regrada a todos os trabalhadores.

 PC Print

A justiça de Cajamar concedeu o início do processo de recuperação judicial à PC Print no dia 4 de novembro de 2011, determinando também a suspensão de eventuais ações  em andamento contra a empresa pelo prazo de 180 dias. Com isso os trabalhadores que foram demitidos tiveram seus processos congelados.

O sindicato está tomando todas as medidas legais cabíveis e não abre mão da defesa do direitos de todos os trabalhadores.