A PEDIDO DO SINDICATO, NOVA PÁGINA E REDOMA CONCEDEM LICENÇA REMUNERADA A 35% DOS GRÁFICOS DIANTE DO COVID-19

O gabinete de crise montado pelo Sindicato dos Gráficos (Sindigráficos) diante do coronavírus e voltado à proteção dos trabalhadores através do monitoramento da situação nas gráficas de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região começou esta semana com muito trabalho e bons resultados para uma parcela da classe. Em sintonia com a recomendação sindical, várias gráficas, a exemplo da Oceano e Jandaia, já autorizaram férias vencidas e/ou concederam férias coletivas remuneradas para permitirem o isolamento domiciliar dos profissionais com o objetivo da redução da transmissão do vírus. Teve empresas que já fecharam(rão) temporariamente, como a Ivani e Barletta, liberando os seus trabalhadores também através das férias remuneradas. Outras gráficas seguiram a orientação sindical para concessão de licença remunerada, sobretudo para funcionários idosos e com doenças crônicas.

Duas gráficas se destacam pela adoção da licença remunerada em larga escala e por tempo indeterminado. A Nova Página e a Redoma, ambas em Cajamar. Elas aplicaram a medida para cerca de 35% do quantitativo total de trabalhadores.  “As empresas priorizaram a dispensa dos gráficos que apresentavam um grau de risco maior diante dos efeitos do Covid-19, como os trabalhadores com mais de 60 anos de idade, ou aqueles com doença crônica”, revela Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

A Nova Página tem 140 funcionários. Portanto, a medida foi benéfica para grande número de gráficos que já puderam iniciar a quarentena domiciliar, protegendo a sua saúde e a de seus familiares, sem prejuízo salarial por meio da licença remunerada. Dos 35% de empregados liberadas, apenas seis deles foram dispensados através das suas férias programadas antes da pandemia”, contou o gerente de RH da empresa, Maquesuel da Silva.

A Redoma possui cerca de 80 gráficos. Preparava-se até para contratar mais trabalhadores, mas adiou por conta da crise gerada pelo Covid-19.  Apesar disso, a gráfica não se esquivou de sua responsabilidade com os funcionários. Garantiu licença remunerada para os seis mais vulneráveis pela idade e quadro de saúde, mas também liberou outros 20 gráficos que corriam risco de contrair a doença no transporte público diário. Todos que pegavam ônibus coletivo tiveram o benefício da licença. Somente dois deles nesta condição continuaram, mas a gráfica fornece carro particular. A empresa Esdeva garantiu que também deu licença para alguns gráficos.

Outras gráficas tomaram medidas também em sintonia com a sinalização do sindicato referente à necessidade da concessão das férias já vencidas ou através de férias antecipadas coletivas e remuneradas. “Já na semana passada, a Oceano começou a botar de férias aqueles funcionários que já tinham o direito as férias e que são mais vulneráveis ao coronavírus. Já liberaram cerca de 25% do quadro profissional da gráfica”, conta Leandro.

A Jandaia também concedeu férias a dezenas de gráficos, além de dar licenças remuneradas, beneficiando 45 trabalhadores respectivamente. Ontem a Decalcomania Ivani, em Pedreiras, suspendeu as atividades e, em atendimento ao sindicato, garantiu as férias de todos os profissionais. Em Bragança Paulista, a Barletta seguirá o exemplo. Paralisa a produção nesta sexta-feira, concedendo férias coletivas pelo bem da saúde de todos. Em Cajamar, a gráfica D’arthy também revelou que concederá férias vencidas para grande quantidade de empregados.