ALÉM DE PERMITIR REDUÇÃO SALARIAL, GOVERNO AVANÇA AGORA COM MEDIDA PARA O PATRÃO PODER DEMITIR GRÁFICO E CONTRATAR OUTRO COM MIGALHAS

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14) o texto-base da medida provisória do governo Bolsonaro, que cria a carteira de trabalho “verde e amarela” (MP 905). O empregador terá redução de encargos trabalhistas para contratação de jovens de 18 a 29 anos e maiores de 55 anos, que vão receber até um salário mínimo e meio. Para o Dieese, haverá aumento da rotatividade, com demissão daqueles que ganham mais para serem substituídos por trabalhadores contratados pelo novo modelo. Dias antes, por conta de outra medida do governo, a MP 936,  a qual sua constitucionalidade será julgada hoje pelo pleno do STF, mais de 1 milhão de trabalhadores já tiveram contrato suspenso ou salário reduzido. O governo prevê que medida vai atingir mais de 24 milhões de empregados. “Tudo que vem desse governo amplia a insegurança dos trabalhadores em meio à pandemia, como também ataca os empregos e os direitos sindicais e da classe trabalhadora em geral”, critica Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos Cajamar, Jundiaí, ,Vinhedo e região.   

Por conta da MP 905, por exemplo, a rotatividade no emprego vai crescer inclusive entre trabalhadores mais experientes, e a massa salarial cairá, dificultando a retomada da economia no pós-pandemia. A avaliação é do diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Junior. Para ele, trata-se de mais uma “reforma” que retira direitos do trabalhador e não deveria estar sendo discutida no contexto atual.

FONTE: Com informações do RBA e O Globo