ALÉM DO ATRASO NA LIBERAÇÃO DO SEGURO-DESEMPREGO, GOVERNO DESCONTARÁ DE 7,5% A 8,14% DO VALOR A PARTIR DE MARÇO 

Desde a segunda quinzena de dezembro, trabalhadores que fizeram o saque imediato (de até R$ 998 por conta ativa e inativa) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) após terem sido dispensados, têm ficado com a liberação do seguro-desemprego travada. O governo federal prometeu que tudo será liderado está semana. Resta aos trabalhadores esperar um direito que já deveria ter sido pago. Não bastasse isso, quem tem direito a receber o seguro-desemprego nos próximos meses, a partir de março, terá uma surpresa negativa do governo, que decidiu isentar o patrão de tributos previdenciários e cobrar do trabalhador que perder o emprego. O seguro-desemprego terá desconto de INSS a partir de março, conforme prevê a Medida Provisória MP do Programa Verde Amarelo. A novidade foi trazida com a nova modalidade que desobriga o patrão de recolher o equivalente a 20% do salário ao INSS. Para compensar esse dinheiro que deixa de entrar nos cofres da Previdência, o governo cobrará uma contribuição (de  7,5% A 8,14%) sobre o seguro-desemprego do trabalhador. Gostou? 

Seguro-desemprego
O seguro desemprego é pago a trabalhadores demitidos sem justa causa. O benefício varia de R$ 1.039 (o salário mínimo atual) a R$ 1.813,03, e dura de três a cinco meses, sendo:

Até R$ 1.599,61 de salário – Multiplica-se o salário médio por 0,8 (80%);
De R$ 1.599,62 até R$ 2.666,29 – O que exceder a R$ 1.599,61 multiplicar por 0,5 (50%) e somar a R$ 1.279,69;
Acima de R$ 2.666,29 – O valor da parcela será de R$ 1.813,03;
Este benefício pode ser requisitado online, através do site Emprega Brasil, mas para o trabalhador deve consultar se está apto a receber o seguro. Os pedidos devem ser feitos da seguinte forma:

Para a primeira solicitação: você deve ter 12 meses de trabalho nos últimos 18 meses;
Para a segunda solicitação: são 09 meses de trabalho nos últimos 11 meses;
Para a terceira solicitação: são 06 meses de trabalho nos últimos 11 meses.

FONTE: Com informações da EBC e CONTABEIS