ALIADOS DE TEMER RETORNAM REFORMA TRABALHISTA, MAS VOTAÇÃO FINAL NO SENADO PODE FICAR PARA JULHO

Depois de uma derrota do governo na terça­feira (20), a reforma trabalhista voltou a avançar no Senado. A leitura do relatório do senador Romero Jucá (PMDB­RR) foi concluída na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na manhã desta quarta­feira (21), abrindo caminho para que a tramitação da matéria seja concluída na comissão na próxima semana.  O próximo passo é a votação no colegiado do parecer do senador, que é líder do governo no Senado, na próxima quarta­-feira (28). O objetivo do Palácio do Planalto era levar o tema para apreciação do plenário no mesmo dia, encerrando a discussão das mudanças nas leis trabalhistas no Congresso.  A votação no plenário ainda na quarta­feira se tornou, contudo, uma meta mais distante depois da definição de um calendário em acordo com a oposição, que prevê uma longa sessão nessa data, com a possibilidade de a reunião do colegiado se estender até o período da noite. Jucá reconheceu que a votação em plenário não ocorrerá no dia 28 e admite a possibilidade de que a matéria seja concluída apenas na primeira semana de julho.

A oposição comemorou o acordo. O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), acredita que o governo não conseguirá aprovar a proposta no plenário ainda em junho, como desejava. Para ele, com a votação na comissão no fim da quarta­feira, a apreciação pelo plenário ficará para julho. “O tempo está do nosso lado”, disse, após a sessão.  Em meio a uma crise política, o governo do presidente Michel Temer aposta na aprovação da reforma trabalhista para dar sinais de “normalidade” e passar a mensagem de que o governo não está parado.

FONTE: Com informações da FolhaSP