ANTIGA DELTA PROMO VOLTA A CONTRATAR GRÁFICOS CLANDESTINOS E A COMETER OUTRAS IRREGULARIDADES

dp1 dp3

Embora produza material publicitário para estabelecimentos comerciais, com foco em display para supermercado, a DP Comercial de Produtos Termoplásticos, em Caieiras, antiga Delta Promo, não aprendeu que a propaganda é a alma do negócio. Lá, aplica-se o provérbio: casa de ferreiro, espeto de pau. E é assim porque ela não se preocupa com a própria imagem quando o tema é sobre a sua reputação referente ao cumprimento de direitos trabalhistas. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Jundiaí e Região (Sindigráficos) recebeu denúncias de irregularidades na semana passada. O órgão já começou a atuar para coibir as supostas tentativas patronal de sonegar suas obrigações junto aos seus funcionários. Na última quarta-feira (24), reuniu-se com os funcionários, e explicou alguns dos encaminhamentos já adotados, inclusive, antecipou que a empresa será chamada pela Delegacia Regional do Trabalho em Jundiaí, para tratar das várias denúncias de irregularidades, entre elas, até de haver trabalhadores clandestinos, sem o registro na Carteira de Trabalho.  

dp2É comum o atraso no pagamento salarial, conforme as denúncias feitas. “Também levaremos tal problema para a reunião na Delegacia Regional do Trabalho”, informa Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. O encontro ainda não tem data definida, mas o dirigente garante que vai solicitar o pagamento da multa diária de R$ 42,67 por atraso no salário dos funcionários. A empresa é obrigada a pagar este valor porque consta na Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. É lei, não tem o que discutir. Outro problema recorrente por lá é o não recolhimento do FGTS. Se a DP não se regularizar, o sindicato promete que requererá a fiscalização do Ministério do Trabalho, para comprovação do problema e aplicação de multa, exatamente como aconteceu recentemente com a gráfica Brasprint, na cidade de Cajamar, também no interior do Estado.

Ha queixas de que até o 13º salário do ano passado ainda não foi pago. “Isso é um absurdo, e se isso for confirmado, mostra que a empresa não tem respeito por seus gráficos”, disse Rodrigues ao funcionários durante assembleia na última quarta-feira (24).

Além disso, outras denúncias revelaram que a 1º parcela da Participação dos Lucro e Resultados do ano de 2014, que era para ser paga em 5 de abril desse ano, continua pendente. E há suspeitas que a contratação de gráficos clandestinos voltou a ocorrer, da mesma forma como aconteceu no passado, quando a DP se chamava Delta Promo. Na época, o problema foi duramente combatido e resolvido pelo Sindigráficos.

Diante de tantas irregularidades, que costumam ocorrer sempre na DP, Rodrigues lembra que os empregados também precisam se organizar coletivamente para se fortalecerem e evitar tamanho atentado aos seus direitos. “O melhor caminho é que se sindicalizem ao Sindicato, pois o patrão pensa duas vezes antes de sonegar qualquer direito, e quando assim o faz, sabe que terá problemas pela frente”, finaliza o dirigente.

 

lx de oliveira

AGORA É COM O DIÁRIO DE SÃO PAULO

Os gráficos da GMA Editora agora são funcionários do Diário de São Paulo. O jornal passou a ser proprietário da GMA, mas algumas broncas antigas contra os trabalhadores parecem que continuam, a exemplo do recolhimento do FGTS. Além disso, antes da mudança de donos, havia um debate entre o Sindigráficos e a GMA para reduzir o valor do desconto no salário relativo à refeição oferecida aos gráficos. Também existia um problema referente ao transporte dos funcionários. Diante disso, esta semana, o Sindigráficos protocolará no Diário de São Paulo, a solicitação de reunião para tratar de cada um desses pontos. “Há denúncias de que o Diário de SP não somente deixou de regularizar o FGTS atrasado, do tempo em que os gráficos eram da GMA, como já está atrasando o recolhimento atual do Fundo de Garantia dos trabalhadores”, antecipa Jurandir Franco, diretor sindical responsável por acompanhar o caso.