APÓS MESES DE LUTA SINDICAL, GRÁFICOS DOS JORNAIS TÊM REAJUSTE SALARIAL E MAIS PLR E CESTA BÁSICA GARANTIDAS

Apesar das dificuldades em que enfrentam os jornais impressos diante da mídia digital, todos os 80 gráficos dos jornais de Jundiaí e região tiveram garantidos a recomposição salarial e a renovação dos direitos coletivos. A negociação em benefício dos gráficos do setor de todo o interior de SP, elevou o salário normativo a R$ 1.267,85 e o piso funcional a R$ 1.458,03. O novo valor é retroativo a 1º de outubro, que é a data-base da categoria. Portanto, nos meses em que não foram pagos a remuneração atualizada, a diferença salarial existente deve ser paga até o dia 5 de janeiro de 2019.

A campanha salarial do setor, que foi concluída em meados de novembro, foi liderada pelo presidente da Federação Paulista da categoria (Ftigesp), Leonardo Del Roy, que também é diretor do Sindicato dos Gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região (Sindigráficos). O reajuste para todos foi de 3,97%, independente da faixa salarial. Denuncie AQUI ao sindicato se o aumento não foi efetuado na folha de pagamento de novembro. Já a diferença salarial de outubro, pode ser quitada na folha de dezembro.

Além da recuperação salarial diante da inflação anual, evitando perdas no salário do gráfico, o movimento sindical também atuou para evitar outros prejuízos financeiros para a categoria. O direito coletivo à Participação nos Lucros e Resultados (PLR) continua mesmo contra o desejo inicial dos jornais. O patronal quis reduzir o valor do benefício nesta campanha salarial. Apesar disso, a Ftigesp, o Sindigráficos e demais sindicatos não deixaram que acontecesse. A PLR continua no valor de R$ 840, paga em duas parcelas iguais de R$ 420 na folha salarial de fevereiro e de agosto.

A cesta básica mensal é outro direito coletivo que continua mantido para todos os gráficos dos jornais, com valor superior ao pago nas indústrias gráficas convencionais. Quando paga em vale-compras, a cesta básica dos jornais continua no valor de R$ 175,39. O seguro de vida de R$ 34,5 mil também se mantém. E ainda o auxílio-funeral no valor de R$ 5.079. Além desses direitos convencionados, há uma série de outros benefícios.

“A hora-extra é outro importante direito que continua. O jornal deve pagar o percentual de 65% no trabalho adicional em dias da semana e de 100% em domingos e feriado”, diz Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato. O dirigente aproveita e convoca os 80 gráficos dos jornais da região, que acabam de ser beneficiados com a manutenção de todos os seus direitos e mais a recomposição salarial, para se sindicalizarem e fortalecerem o Sindigráficos para continuar fazendo este trabalho em favor da categoria.