APÓS REINCIDÊNCIAS, GRÁFICA HORIZONTE SE COMPROMETE A NÃO ASSEDIAR GRÁFICOS E NEM DESCONTAR DIAS DE FÉRIAS

A fim de evitar ajuizamento de falhas trabalhistas que voltaram a surgir na gráfica Horizonte, como o assédio moral e a compensação ilegal de dias das férias dos funcionários, já registradas no passado pelo Ministério do Trabalho e então reconhecidas pela empresa, a dona da gráfica se reuniu agora com o Sindicato da classe (Sindgraficos) e garantiu que corrigirá as irregularidades. A entidade da categoria também chamou a atenção da proprietária para o atual não recolhimento do FGTS dos trabalhadores.

“O nosso monitoramento continua junto com os gráficos do local, onde a maioria são de sindicalizados”, disse o diretor sindical Jurandir Franco após informar à empresa que, diante do pronto anunciou da dona da Horizonte sobre a correção das falhas, suspendeu a intenção de entrar na Justiça contra a reincidência do assédio e do desconto do dia de férias dos trabalhadores. O Sindigráficos tem em mãos documentação antiga do Ministério do Trabalho onde mostra que tais ilegalidades já ocorreram, podendo ser inserido em eventual processo judicial para subsidiar o juiz.

Embora não reconheceu oficialmente os novos casos de assédio, mas também não os negou, a dona da Horizonte se comprometeu em coibi-los. Já no caso da compensação ilegal de dias das férias, ela confirmou a falha e justificou que enfrenta problemas financeiros. Apesar disso, a empresária se comprometeu em não mais voltar a praticar essa irregularidade. Contudo, o trabalhador tem um papel fundamental para evitar o absurdo. Denuncie logo quando isso acontecer. Não negocie seu direito. Não aceite trocar um dia de folga ou horas para ser descontado nas férias. Pois, depois, a gráfica troca sem nem negociar.

A gráfica também confirmou a falha em relação ao recolhimento do FGTS dos trabalhadores, justificando o impasse devido os problemas de caixa. “Independentemente da situação financeira da empresa, na qual o gráfico não pode ser responsabilizado, a Horizonte têm deveres trabalhistas com base na lei, e uma das obrigações é com o pagamento mensal do FGTS”, pontuou o sindicalista. Toda empresa deve depositar na conta vinculada do FGTS do funcionário o valor mensal de 8% da remuneração do gráfico.

A dona da Horizonte se comprometeu em buscar pagar as pendências via um parcelamento junto à Caixa Econômica, que é o banco responsável pelo FGTS do trabalhador, e daria o retorno ao sindicato sobre a questão. Jurandir aproveita a situação para alerta todos gráficos da empresa e das demais gráficas sobre os desafios maiores para os direitos diante do fim do Ministério do Trabalho, atacado por Bolsonaro, e, consequentemente, da maior necessidade da unidade e organização dos trabalhadores junto ao Sindigráficos para evitarem prejuízos expressivos. Sindicalize-se AQUI