APÓS SETE MESES DO REAJUSTE, ESCRITÓRIO DA IDR RÓTULOS CONFIRMA DEFASAGEM SALARIAL DE GRÁFICO E DIZ SER CASO ISOLADO

Na última semana, sete meses depois do reajuste salarial anual dos gráficos paulistas, ainda havia um profissional em Valinhos recebendo o valor abaixo do definido pelo piso (R$ 1.630,20) – menor remuneração da categoria negociada pelo Sindicato dos trabalhadores com todos os patrões desde 1º de setembro de 2019.  E o caso só foi descoberto agora, apesar do tempo, depois do empregado da IDR Rótulos ter dado conta desta defasagem, conforme demonstrada em holerites levados ao Sindigráficos há poucos dias. O escritório contábil da gráfica confirmou a falha após a cobrança sindical e garantiu que vai corrigir. A entidade cobrou ainda o pagamento das diferenças salariais do período. A IDR foi acionada também e se comprometeu em quitar tudo até o final do mês.   

Além da atualização salarial e pagamento das diferenças, o Sindigráficos também cobra informações sobre a situação dos demais gráficos do local. Tudo está sendo analisado. O escritório contábil, no entanto, mesmo não sabendo explicar o motivo da defasagem salarial, adiantou que se tratava de um caso isolado. “Esperamos que a IDR comprove tudo para evitar os problemas em caso do cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho, onde consta o reajuste. Ela nos enviou um e-mail dizendo que foi falha no sistema”, diz Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos.

Em relação à defasagem salarial já confirmada pelo escritório contábil da gráfica e também pela própria IDR, o Sindicato lembrou que além do reajuste obrigatório e pagamento das diferenças nos salários desde 1º de setembro de 2019, a IDR também precisará pagar o residual sobre todos os outros direitos. “Será preciso calcular o déficit existente sobre os depósitos de FGTS e no INSS e pagar toda a diferença. Deve fazer o mesmo referente ao 13º salário, férias e outros”, completou Jurandir.

Quanto aos outros gráficos da IDR e qualquer trabalhador de outra gráfica que desconfiem da atualização salarial, não deixe de procurar o Sindicato. Não precisam esperar tantos meses. Leve logo o holerite dos últimos anos para a conferência sindical. Serão analisados a aplicação do percentual dos últimos aumentos. Em setembro de 2019, por exemplo, o reajuste aplicado foi de 2,6% – percentual um pouco superior à inflação oficial do governo federal quando registrou 2,56% diante da paralisia da economia.

Em 2019, foi a primeira vez que o aumento aconteceu em 1º de setembro depois da antecipação da data-base da classe na maior parte do estado. Todavia, o reajuste salarial acontece todo ano após a campanha salarial liderada pelo Sindigráficos e demais sindicatos nas várias regiões de SP. Antes de 2019, a data de referência para o reajuste era 1º de novembro. Logo, compare seu holerite e qualquer dúvida nos procure”, fala Jurandir.