APÓS TUDO ACORDADO, ROTAPLAN SOME DA NEGOCIAÇÃO DO PAGAMENTO DE QUASE MEIO MILHÃO EM FGTS DOS GRÁFICOS

Na última semana, ao invés de mostrar ao Sindicato (Sindigráficos) sua dívida individualizada com o FGTS de cada gráfico, que somam R$ 411 mil, segundo cálculo da Rotaplan, em Valinhos, a empresa abandonou o acordado. Os dados comporiam o processo judicial coletivo do Sindicato em defesa da garantia efetiva do pagamento do FGTS dos empregados. Mas, curiosamente, no lugar do referido processo coletivo, foi elaborado um de outro tipo (uma reclamação plúrima) e dado entrada na Justiça do Trabalho através de um advogado particular. O caso chama atenção por que, como em tempo de crise econômica, os funcionários prefeririam arcar com honorários advocatícios com consequente redução do valor de seu FGTS no fim da causa, quando seria gratuito com o advogado do sindicato? Porém, e se o jurista particular for pago pela gráfica, qual o interesse da empresa nisso? Além disso, neste processo (0011885-85-2017.5.15.0094) estão de fora as cobranças de contribuições sociais e os demais encargos, ou seja, o FGTS perderá ainda mais dinheiro.

Não faz sentido perder dinheiro em tempo nenhum, pior na crise atual. “Será que sabem o que estão fazendo? Pois, o acordado era o Sindicato fazer o processo com todas as cobranças, sem custo para o gráfico e a empresa se comprometeu em pagar tudo diante do juiz na 1ª audiência, via acordo judicial. Por que, apesar de saberem de tudo isso como foi conversado com eles durante reuniões no último mês, os trabalhadores decidiram perder agora essas garantias de terem seus FGTS pendentes há 10 anos?”, pergunta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Ele critica a postura adotada pela empresa diante do descumprimento e seu sumiço, que, curiosamente, surgiu um trabalhador, faz poucos dias, auto intitulando-se o representante dos demais, inclusive já anunciando o referido processo coletivo de responsabilidade de um advogado privado.

A fim de buscar preservar o direito desses gráficos, mesmo sendo eles responsáveis por seus atos, embora devam estar iludidos, pois ninguém em sã consciência escolhe algo contra si, a exemplo da atual questão, o sindicato os defenderão, sobretudo quando a maioria é de sindicalizado.

Diante do caso mais que questionável, o Sindicato já acionou a Justiça do Trabalho de Valinhos nesta terça-feira (12), entrando com processo coletivo nos termos legais em favor de todos trabalhadores da Rotaplan.

O Sindigráficos está fazendo valer seu direito constitucional de órgão de classe. Foi por conta disso que, por exemplo, a gráfica Art-Press soube recentemente que direito trabalhista é algo sagrado e deve ser cumprido sempre. Descobriu que é melhor negociar com o sindicato a resolução das irregularidades.

A Art-Press tentou desconsiderar essas questões, mas foi condenada pela Justiça a pagar FGTS e muito mais. Ainda sofre uma devassa judicial-contábil, teve autuações e várias multas, além de sanções administrativas e impedimento de concorrências públicas e etc.