ASPEN VOLTA A AMEAÇAR SALÁRIO, FGTS E CESTA BÁSICA DOS GRÁFICOS. SEM SINDICALIZAÇÃO, SITUAÇÃO SÓ PIORA

Nos últimos três anos, desde que teve de se explicar frente ao Ministério do Trabalho por conta das irregularidades contra seus gráficos, parece que a Aspen Comunicação Visual em Jundiaí se preocupou apenas em atualizar o layout do local, como só agora denunciam os profissionais ao Sindicato da classe (Sindigráficos), os quais continuam sem se associar à entidade, optando pela vulnerabilidade diante dos absurdos patronais. Há dez anos, o Sindigráficos havia corrigido a situação da cesta básica desses funcionários. E em 2015, corrigiu os atrasos salariais constantes e ainda proibiu desconto salarial ilegal quando ocorria falhas na produção. E a empresa também se comprometeu em regularizar o FGTS de todos. Ainda assim, nenhum gráfico resolveu se proteger com a sindicalização. O patronal percebeu tal fragilidade. E, agora, a situação ficou bem pior. Pois, conforme denúncia recente, todos esses direitos estão irregulares.

O atraso do pagamento salarial, que foi corrigido há três anos, uma vez que passou a ser pago no dia 5 e não no 5º útil, voltou a ter problemas. Aliás, a situação de atraso ficou ainda pior. A Aspen, segundo queixas, deixou de pagar valor integral do salário na data definida na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da classe – conjunto de direitos superiores à CLT, conquistado anualmente pelo Sindigráficos na campanha salarial. A empresa passou a pagar em partes, atrasando e muito a sua quitação.

“Sendo assim, outra vez, o Sindigráficos chama atenção desses gráficos para buscarem formas efetivas de se protegerem e garantirem os seus direitos. A entidade convoca todos eles para uma reunião na quarta-feira (7) da próxima semana, às 18h, na sede regional do órgão em Jundiaí”, convoca Jurandir Franco, diretor sindical que está acompanhado o caso.

O ilegal pagamento fracionado do salário dos empregados não é a única irregularidade da empresa. Conforme as reclamações ao Sindigráficos, ela deixou de pagar o vale-alimentação mensal, conforme está definido pela CCT. “O benefício havia sido regularizado pelo Sindicato em 2015, ano que garantiu inclusive o reajuste do valor”, fala Leandro Rodrigues, presidente do sindicato. E o FGTS também continua sendo sonegado.

Portanto, na reunião dia 7, o sindicato estará à disposição de todos para juntos decidirem qual será a melhor ação para resolver todas questões efetivamente, podendo entrar com ação judicial coletiva. E ainda, como o Ministério do Trabalho registrou tais falhas antes, o Ministério Público do Trabalho pode ser acionado, com possibilidade de sanções à Aspen. Porém, Jurandir já adianta que qualquer patrão fica mais à vontade de desrespeitar os direitos dos gráficos afastados de seu Sindicato, ainda mais agora com a lei da reforma trabalhista, que ataca os direitos. Logo, ele aguarda que todos esses gráficos se sindicalizem AQUI de imediato.