AVANÇAM MORTES E HÁ CASOS SUSPEITOS DE COVID-19 ENTRE GRÁFICOS DE EMPRESAS DA REGIÃO. TODO CUIDADO É POUCO

Na última semana, após a trágica morte do 1º gráfico da região por covid-19, o trabalhador Edilson Ribeiro, da Gonçalves em Cajamar, ocorrera, infelizmente, mais perdas e mais internações hospitalares e afastamentos médicos de gráficos de outras empresas com os sintomas do coronavírus. Em Caieiras, por exemplo, um segundo empregado da gráfica Stella foi afastado do serviço por 14 dias pela mesma razão. A esposa dele também foi internada naquela semana em um posto por falta de leito em hospitais. E ela perdeu a mãe horas depois pelo vírus, mesmo internada no hospital São Luís. Uma trabalhadora da gráfica Esdeva em Cajamar se encontra também afastada após ida em urgência médica. Sente dores e falta de ar. Mas ainda não fez o teste, porque não encontra em lugar nenhum. Itupeva é outro lugar de preocupação. Fala-se de que um gráfico da Log&Print foi parar até em uma UTI. O Sindicato ainda não confirmou esta informação.

O fato é que cresce os casos suspeitos e o medo da morte aumenta entre os trabalhadores que continuam em atividade nas gráficas de toda região. O Sindigráficos reforça a necessidade das empresas ampliarem as ações de higienização dentro das gráficas. E elevar a atenção com os sintomas dos gráficos. “Isso deve ser uma questão prioritária para evitar a chegada da doença dentro dos parques gráficos e o risco de contaminações nestes locais de trabalho”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Na Esdeva, a empresa já liberou de forma preventiva 12 dos seus gráficos por eles estarem no perfil de maior vulnerabilidade ao vírus. Todos estão recebendo licença remunerada, como o sindicato tem indicado para todas as gráficas da região. Uma trabalhadora com suspeita de coronavírus, por sinal, após trabalhar na última segunda-feira, mesmo com máscara, agora está de licença médica por 14 dias diante do quadro de saúde. O sindicato não tem informações de outros casos na empresa. O Sindigráficos está à disposição da classe através dos WhatsApp 97199.2087 ou 97100.9785.

Em Caieiras, o primeiro caso de covid-19 foi na gráfica Stella, do gráfico Carlos Martins. Apesar dele continuar com alguns sintomas do vírus em menor intensidade, recebeu alta hospitalar e liberação medida para voltar ao trabalho. “Para o hospital São Camilo, local onde ele foi socorrido, o trabalhador teve sim a covid-19”, diz Carlos. Ele iria participar até de uma pesquisa em outro hospital especializado sobre problemas respiratórios, mas foi descartado após a mudança do Ministro da Saúde. O trabalhador, por sua vez, continuará sendo acompanhado por especialista em pulmão.