BILPRESS MUDA DE DONO SEM CORREÇÃO DOS DIREITOS DOS GRÁFICOS. SINDICATO COBRA DO NOVO PROPRIETÁRIO

Nesta semana, após descobrir que a Bilpress trocou de dono sem antes pagar as várias pendências nos direitos dos gráficos, as quais estavam sendo cobradas pelo Sindicato da categoria (Sindigráficos), a entidade voltou à empresa para cobrar agora do novo proprietário. A notificação foi entregue na localidade, em Itupeva, para tratar com o sindicato sobre os pagamentos do FGTS e PLR atrasados. E problemas com os atrasos salariais e não quitação de verbas rescisórias a funcionários demitidos. A expectativa dos sindicalistas é de que o novo dono e a nova diretoria mostrem boa-fé na tratativa das pendências trabalhistas que herdaram.

O FGTS não está sendo recolhido faz um ano, segundo as reclamações enviadas pelos trabalhadores ao Sindigráficos no início do mês de maio. O pagamento da 1ª parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), um direito convencionado que venceu desde 5 de abril, também não foi quitado.

Além disso, há queixas sobre atrasos salarial que levam a multas diárias depois do dia 5 de cada mês. E também há denúncias  do não pagamento das verbas rescisórias de trabalhadores desligados.

“Os gráficos não podem pagar a conta da empresa, independente das mudanças dos acionistas ou proprietário único. Pela lei, os empregados estão protegidos e quem assumiu esse negócio tem o dever de pagar”, adianta Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato.

O órgão aproveita para convocar os profissionais a se sindicalizarem para fortalecerem a  entidade da categoria e evitarem a perda dos seus direitos trabalhistas. A sindicalização também evita custos advocatícios aos gráficos em caso da manutenção dessas pendências e da necessidade do ajuizamento. O sindicalizado não paga nada pela assessoria jurídica, enquanto o não sócio precisa desembolsar 30% do valor da causa. Sindicalize AGORA!

A Grafsete em Cabreuva, por exemplo, percebeu a fragilidade do gráfico de proteger os seus próprios direitos enquanto não se sindicaliza. Lá, as pendências na empresa superam muito em comparação com a Bilpress. A Grafsete deve FGTS, INSS, PLR, férias, salário e cesta básica.

A gráfica deve e não está preocupada se levar em conta que, apesar de notificada pelo Sindicato para tratar das falhas, não compareceu e nem se justificou. O órgão avalia acionar o Ministério do Trabalho.  Antes, porém, espera que os trabalhadores decidam se fortalecer, sindicalizando-se, visando criar condições para o ajuste das falhas.