BILPRESS PODE PRODUZIR SEIS VEZES MAIS E CONTRATAR MAIS GRÁFICOS APÓS SOLUÇÃO DAS DÍVIDAS DO ANTIGO DONO

Na última semana, uma comissão de gráficos sindicalizados da empresa Bilpress em Itupeva, ao lado de dois dirigentes sindicais, reuniu-se com o diretor do novo grupo econômico que assumiu a gráfica deixada pelo antigo grupo com uma dívida de R$ 5,5 milhões, entre impostos, dívidas trabalhistas e com os fornecedores. Estes dados foram repassados pelo novo diretor como justificativa diante da cobrança do não recolhimento do FGTS e do PLR dos trabalhadores no último ano, bem como o não pagamento de verbas rescisórias de gráficos demitidos anteriormente. Ele assumiu tais passivos, embora precisa analisá-los. Porém, pediu até quatro meses para sanar parte das falhas gerais herdadas, como com o principal fornecedor, evitando que a Bilpress produza seis vezes mais.

Diante da garantia de não demitir e continuar pagando o salário em dia, bem como tratar dos respectivos passivos trabalhistas em novembro, e, possivelmente, contratar mais gráficos após recuperação da capacidade produtiva de 60 toneladas de embalagens de remédios, os funcionários aceitaram aguardar até novembro para solução do FGTS, PLR e outros. “Saímos de lá com uma agenda já fechada para tratarmos desses itens em novembro, com o objetivo de reanalisar a situação para resolvê-la”, fala Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato da categoria na região.

“Atualmente, a Bilpress está fabricando 10 toneladas por mês, ou seja, pode produzir até seis vezes mais, mas não tem conseguido por falta de um insumo específico do principal fornecedor, sendo ele o único no país, mas tem restringido o fornecimento por conta das dívidas deixadas pelo antigo grupo econômico que geriu a empresa por cerca de cinco anos”, disse o diretor do novo grupo para a comissão de gráficos e o sindicato. Ele revelou ainda que este fornecedor pediu na Justiça até a falência da Bilpress, situação também preocupante. Contou ainda que tem tomado ações para evitar este mal, bem como buscando a melhor renegociação de preços de tal insumo do fornecedor e até agido para trazer da China.

Apesar desse cenário negativo, o novo dirigente da Bilpress (Alexandre Peccicacco) trouxe notícias positivas. Informou que a empresa já tem muitos serviços para os próximos meses, falta apenas destravar esta situação dos insumos. “Vamos continuar acompanhando esta situação em prol dos empregos, direitos e condições laborais dos trabalhadores”, garante Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos também presente na reunião com a comissão de trabalhadores sindicalizados e a empresa. Ele aproveita para convocar a todos os demais para se sindicalizarem.