BOLSONARO AUMENTA PRIVILÉGIOS DA APOSENTADORIA DOS MILITARES ENQUANTO RETIRA OS POUCOS DIREITOS DOS TRABALHADORES

A proposta de reforma da aposentadoria dos militares entregue pelo governo Jair Bolsonaro prevê uma série de benefícios para a categoria. Um deles é aumentar para oito soldos (como é chamado o salário base dos militares), pagos em uma única parcela, a indenização recebida pelos militares quando eles se aposentam. Hoje, o pagamento é de quatro soldos. Já para o trabalhador se aposentar pelas regras de Bolsonaro terá de trabalhar e contribuir por 40 anos, e, mesmo assim, terá uma valor menor diante das mudanças nos cálculos para concessão da aposentadoria, sem falar em outras alterações que desfalcará em 40% do valor do benefício.
Mas os privilégios da reforma que Bolsonaro diz ser necessária para justamente combater os privilégios, aumenta ainda mais os benefícios dos militares. O projeto prevê que oficiais generais somem à aposentadoria uma gratificação recebida por eles quando na ativa. Chamada de gratificação de representação, ela equivale a 10% do salário. Se a projeto for aprovado, oficiais que hoje estão na reserva passarão a receber o adicional.
As Forças Armadas defendem que os militares não se aposentam, e sim passam à inatividade. Em tese, eles podem ser chamados para voltar a trabalhar quando estão na reserva. Especialistas afirmam, porém, que a convocação é rara e que a nomenclatura (aposentadoria ou inatividade) não é relevante.
FONTE: Com informações do UOL e foto do O Globo