BOLSONARO QUER AMPLIAR REFORMA TRABALHISTA DE TEMER QUE ELEVOU DESEMPREGO E CRIOU EMPREGO SEM DIREITOS

Com uma das divulgações recentes do saldo de empregos, verifica-se que desde a entrada em vigor da Reforma Trabalhista de Temer (Lei 13.467/17) foram gerados apenas 50.545 postos de empregos formais em 9 meses. O resultado é irrisório frente ao fechamento de 2,9 milhões de empregos com carteira entre dez/14 e dez/17. Além de ter causado o grande desemprego, a qualidade dos postos criados é o outro ponto crítico no pós-reforma, a qual Bolsonaro aprovou como deputado e agora como presidente eleito quer ampliá-la com a criação da carteira de trabalho onde se escolhe o emprego ou os direitos atuais. Na era desta reforma trabalhista só foram gerados 50.545 postos de empregos formais, destes 26.300 postos intermitentes e 13.320 parciais no período (saldo). Ou seja, 78,4% do saldo de empregos formais gerados desde novembro de 2017 foi em contratos “atípicos” e precários, que foram reconhecidos pela Reforma Trabalhista.

 

FONTE: Com informações do Estadão e do Diap