CLICHERLUX RESOLVE PENDÊNCIAS COM PLR DOS GRÁFICOS E INICIA PAGAMENTO DO FGTS ATRASADO VIA CAIXA ECONÔMICA

Desde 13 de novembro, nenhum gráfico pode acionar mais a Justiça para resgatar o dinheiro do FGTS negado há mais de cinco anos pela empresa. O prazo é só até cinco anos. A decisão foi tomada pelo Superior Tribunal Federal desde 2015. Neste sentido, a fim de evitar prejuízos no direito dos gráficos ao FGTS, o Sindicato monitora e cobra das empresas o depósito mensal, como determina a lei. Na Chicherlux, por exemplo, isso acontece com frequência. Há poucos dias, a empresa apresentou aos sindicalistas uma solução para a correção do período em que não fez o recolhimento. Em reunião no mês de novembro, a gráfica assumiu a dívida junto à Caixa Econômica, fazendo uma programação de pagamento, aceita pelo banco.

A empresa fez um contrato com a Caixa onde assumiu pagar todo passivo em 60 parcelas. A confirmação foi repassada pela direção da Chicherlux para sindicalistas durante uma reunião na sede regional do sindicato em Jundiaí. “Apesar do longo parcelamento da dívida, os trabalhadores agora passam a ter uma certa garantia de que a empresa assumiu seu débito e se comprometeu com o pagamento. Portanto, pode ser considerada uma ação positiva”, ressalta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Além da solução apresentada para os problemas no FGTS dos gráficos do local, a Chicherlux também demonstrou a resolução de outras falhas. Dentre elas, o cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho da classe no tocante ao pagamento da Participação dos Lucros e Resultados (PLR). “A empresa estava devendo algumas PLR há alguns anos. Pela regra, no entanto, esse direito dos trabalhadores deve ser pago obrigatoriamente pelas gráficas em duas parcelas iguais em cada ano. E, agora, a empresa voltou a se regularizar também nesta questão”, destaca Leandro.