COM TRANSPARÊNCIA, NOVA COMISSÃO DA JANDAIA É ELEITA PELOS GRÁFICOS PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES E DOENÇAS

Coincidências à parte, este ano, após o fim do Ministério do Trabalho pelo novo presidente do País e a defesa por Bolsonaro do emprego sem direito e até a defesa da redução de 90% das normas de segurança no trabalho, o setor gráfico paulista já voltou a ter trabalhador com a mão decepada no serviço. O caso ocorreu na Braspor/LeoGráfica em Osasco no mês de julho. O fato é que o cenário de retrocesso cresceu em 2019. Contudo, na contramão disso, gráficas como a Jandaia, em Caieiras, continuam tendo o respeito às regras de segurança e saúde do funcionário. A eleição anual de gráficos para Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) se mantém por lá, bem como o acompanhamento de todo processo eleitoral pelo sindicato, a exemplo do que foi realizado na última segunda-feira (2).

“A Cipa, segundo normas de segurança e saúde do trabalho, visa proteger o trabalhador no local laboral. Busca, objetivamente, evitar os acidentes, riscos, atividades e práticas prejudiciais à saúde. A comissão é composta por representantes eleitos de empregados e da empresa. O vencedor da eleição tem um mandato de um ano para prevenir essas questões. E para isso, tem até uma garantia de emprego no período e até um ano depois. A estabilidade é garantida por lei justamente para que o trabalhador possa fazer o seu papel de cipeiro em defesa da segurança e saúde dos colegas de trabalho”, explica Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Para o sindicato, a Cipa, quando eleita com lisura e é atuante, torna-se um forte instrumento de garantia dos interesses da classe trabalhadora, já que a integridade física e mental é o maior dos bens do gráfico. E são os cipeitos um dos principais responsáveis dentro da empresa pelo cuidado da integridade de todos. Por esta razão, o órgão sindical também orienta e ajuda todos os cipeiros nas gráficas da região, quando procurado. A entidade acompanha inclusive todo o processo eleitoral para a formação da comissão nas empresas. E até a apuração dos votos dos gráficos nos novos cipeiros, a exemplo do que ocorreu agora na Jandaia, ora monitorados pelos sindicalistas Oswaldo Santesco e Rodrigo Reis.

Sete trabalhadores da Jandaia disputaram a eleição para a Cipa 2019-20. Pelas regras, os quatro mais votados assumem o mantado, ficando os 1º e 2º colocados na condição de titulares, enquanto os 3 e 4º na suplência. Mais de 325 dos 436 gráficos da empresa participaram do pleito eleitoral. 109 deles votaram em Francisco Renê de Lima (1º lugar) e 61 em Simone da Silva Oliveira (2ª), seguidos por Fabrício Mira de Andrade (com 41 votos) e por Marcus Vinicius A. de Souza (40 votos). Os demais votos foram dados e todos conferidos em Márcio José Nogueira (27), Reginaldo Cesar Vieira (24) e em Vitor Mota do Nascimento, também com 24 votos.

O Sindigráficos parabeniza a todos candidatos e aos eleitos e se coloca à disposição deles para juntos atuarem para segurança e saúde da classe no ambiente de trabalho, independente do desejo de Bolsonaro de acabar com 90% das normas trabalhistas regulamentadoras. A entidade também congratula a empresa pela realização da correta eleição da Cipa com toda transparência, uma vez que chamou o sindicato para acompanhar tudo. Outras gráficas na área, a exemplo da Log&Print (em Vinhedo) e Redoma (Cajamar), também fazem o mesmo. “Espero que todas as demais tomem o mesmo comportamento em proteção da segurança e saúde no trabalho e dos trabalhadores. Denuncie para nós qualquer problema”, diz Leandro.