CONTRA AUMENTO DE TARIFA DO METRÔ E PRIVATIZAÇÃO, METROVIÁRIOS DE SP APROVAM GREVE NESTA QUINTA (18)

Metroviários de São Paulo aprovam greve de 24 horas a partir da meia noite desta quinta-feira (18). A paralisação é contra o leilão de privatização das Linhas 5 Lilás e 17 Ouro – o monotrilho, e também contra a terceirização das bilheterias do Metrô, demissões e aumento das tarifas. “A privatização leva à terceirização, que é sinônimo de precarização das condições de trabalho e renda, além da queda na qualidade dos serviços prestados à população e aumento das passagens, o que prejudica trabalhadores do Metrô e usuários”, diz Marcos Freire, diretor Financeiro do Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Segundo ele, o Sindicato avaliou o resultado da terceirização em bilheterias, como a da linha 2 Verde – Vila Madalena/Vila Prudente, e confirmou o prejuízo aos trabalhadores e aos usuários. “Um bilheteiro terceirizado, por exemplo, chega a ganhar por mês menos de um salário mínimo para uma jornada de seis horas”, denuncia o dirigente.

O governo de São Paulo marcou o pregão para o dia 19, às 9h, na sede da Bolsa de Valores de São Paulo, na Rua 15 de Novembro. No mesmo dia, a partir das 9h, os metroviários estarão em frente a Bovespa protestando contra a privatização.

Além dos metroviários, o ato contará com a participação de trabalhadores de várias áreas, estudantes e movimentos sociais.

Para o secretário de Mobilizacao da CUT São Paulo, João Batista Gomes, a greve dá sinais de que os protestos devem se acentuar em 2018. “Alckmin busca entregar o patrimônio público, com cartas marcadas, para a CCR, e desconsidera tudo o que representa a privatização das linhas do metrô, o desmonte do transporte público e o aumento das tarifas que já está sendo sentido pela população”.

Presidente da CTB-SP, Rene Vicente, destaca a ousadia da categoria neste momento de retirada de direitos. “A diretoria mostra coragem em enfrentar Alckmin. O governador tem aplicado sua política de privatizações não apenas no metrô, mas em todas as estatais, como Sabesp e Fundação Florestal. A greve demonstra o descontentamento e a unidade dos trabalhadores”.

FONTE: CUT BRASIL