CRESCE PAPEL DO GRÁFICO JUNTO AO SINDICATO PARA EVITAR ABSURDOS DA NOVA LEI DO TRABALHO. VEJA CASO DA OCEANO

A necessidade da atuação do Sindicato e da filiação dos gráficos para fortalecerem a entidade da categoria têm crescido com os desmandos patronais diante do início da concretização dos prejuízos aos direitos da classe perante à aplicação da nova lei do trabalho. A sindicalização tem sido evocada como o mecanismo central dos trabalhadores para que  possam buscar a proteção contra os absurdos das empresas perante a atual situação. Em Cajamar, por exemplo, a gráfica Oceano já passou a oprimir até seus profissionais mais experientes com um elevado saber técnico,os quais operavam máquinas com as manutenções precárias. Mesmo com a empresa mantendo sua produção, vinte gráficos já foram demitidos desde que passou a vigorar a nova lei no final do último ano. Nenhum recebeu suas verbas rescisórias depois de serem desligados. E  foram substituídos por outros profissionais submetidos a baixos salários e à pressão e punições, até advertência, para manterem igual produção, mesmo diante da situação precária das máquinas e sua recém-chegada.

Diante do cenário praticado pela Oceano contra ambos os profissionais, tanto contra os gráficos com longos anos dedicados à empresa, e ainda contra os empregados quem foram admitidos em substituição deles, fato que não é exclusivo a esta empresa desde que está em vigor a atrasada nova lei, a classe vem necessitando de uma maior unidade entre si e em torno do Sindigráficos em busca da própria organização para a proteção dos respectivos direitos, condições de trabalho e até de seus empregos.

O Sindigráficos, mantido financeiro e politicamente por parte da classe já sindicalizada, tem sido indispensável e é a última trincheira dos gráficos em suas defesas neste período de grandes atrasos na lei trabalhista e com os absurdos patronais contra a lei em prejuízos dos trabalhadores.

No caso da Oceano, vários desses demitidos já foram defendidos pelo sindicato para receberem as suas verbas rescisórias. Alguns deles já no final de 2017 e outros ex-funcionários agora através de ações judiciais.A entidade também partiu em defesa dos gráficos recém contratados. Já exigiu da empresa explicações sobre o assédio sobre os trabalhadores com cobranças de produtividade e sobre a precariedade das máquinas.

“O caso da Oceano é uma das situações emblemáticas dos prejuízos contra os trabalhadores, independente de serem antigos na empresa ou não. A nova lei trabalhista veio para destruir os direitos do trabalho e empregos, que carece de resistência da categoria para evitar a sua consolidação”, frisa Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Ele convoca todas e todos gráficos da região para se sindicalizarem para darem condições necessárias de resistirem aos absurdos patronais dentro das empresas.

Horário de Trabalho

Além disso, várias denúncias revelam que a Oceano modificou de forma arbitrária o horário de trabalho de todos os 250 trabalhadores do local. O Sindigráficos já entrou em defesa de todos, mesmo ainda sendo parcial o número de sindicalizados nesta empresa. A entidade fez uma primeira reunião com a gráfica cobrando informações sobre os atuais horários de modo a resolver o caso.  Na ocasião, alertou ao representante do patrão que há três anos o Sindicato cobra que seja feito um Acordo Coletivo de Trabalho sobre a jornada de trabalho, garantindo benefícios para todos.