DENÚNCIAS AO SINDICATO APONTAM COLORFLEXO COMO SENDO UMA GRÁFICA EM INDAIATUBA E COM SALÁRIO BEM DEFASADO

Nenhuma gráfica em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região pode pagar aos seus trabalhadores menos de R$ 1.630,20. E, neste mês, terá de ter um reajuste, com base na nova data-base da classe em todo o estado. O novo piso salarial, de acordo com a contraproposta patronal, pode subir para R$ R$ 1.674,20. Logo, se este valor for aprovado pela classe durante a assembleia dos trabalhadores neste domingo, a partir das 8h, no Sindicato da classe (Sindigráficos), este será a menor remuneração que pode ser paga aos gráficos por uma empresa do ramo. Contudo, reclamações recentes de profissionais para os sindicalistas apontam que a empresa ColorFlexo, na cidade de Indaiatuba, só paga R$ 1,3 mil. A empresa, porém, não está enquadrada sindicalmente como gráfica.

As denúncias, por sua vez, revelam que a empresa é do segmento gráfico na área de rótulos e etiquetas adesivas. O sindicato iniciará as apurações sobre a questão. “O primeiro passo é descobrir se a ColorFlexo é mesmo uma gráfica. Depois, se confirmado, será investigado sobre o valor salarial nesta empresa”, explica Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

As primeiras reclamações dos trabalhadores surgiram durante a semana do 7 de setembro. Na ocasião, o sindicato foi questionado sobre o direito dos empregados da ColorFlexo de poderem folgar minutos antes durante os dias daquela semana, conforme rege a convenção coletiva da classe. Porém, pelo registro do sindicato, a empresa não está enquadrada como uma gráfica, mesmo atuando no segmento de rótulo e etiquetas adesivas. Só enquadrada sindicalmente como gráfica que a empresa é obrigada a cumprir a regra da convenção. Todo enquadramento deve se pautar pela atividade econômica desenvolvida por lá. É isso que o Sindicato apurará.

Se for confirmada a denúncia de que a ColorFlexo é mesmo uma gráfica, ela terá de se enquadrar sindicalmente enquanto tal. “Atualmente não sei informar em qual categoria a empresa está ligada, ou se está integrada a alguma. Mas se a sua atividade for rótulos e etiquetas adesivas tudo leva a indicar que pode mesmo ser uma gráfica e assim deve ser enquadrada. Sendo assim, a empresa terá de aplicar corretamente nossa convenção, como o direito da distribuição da cesta básica mensal”, pontua Leandro.

Por falar no direito convencionado da cesta básica, foi denunciado ainda ao Sindicato que a ColorFlexo está descontando do valor da cesta básica dias de faltas dos empregados. Se for confirmado que a empresa é uma gráfica, e enquadrando-a, a convenção não permite este tipo de desconto. Todavia, será preciso a unidade dos gráficos em torno do sindicato para se conseguir avançar nesta luta e no cumprimento da convenção coletiva. “Estamos às ordens da classe para juntos avançarmos”, convida Leandro.