DESCUMPRINDO ACORDOS E DIREITOS, CLICHERLUX PODE TER O FIM DA ART-PRESS, DEVASSADA CONTÁBIL E JUDICIALMENTE

Apesar das promessas da Clicherlux, em Valinhos, pouca coisa mudou em relação a correção efetiva das irregularidades contra os direitos dos seus gráficos, cobrada reiteradamente pelo Sindigráficos há dois anos. Com exceção da cesta básica que passou a ser distribuída nos últimos meses, mas deixando pendente o pagamento prometido das anteriores, a empresa não cumpriu nada do negociado, como FGTS e PLR atrasados há muito tempo, nem multas por atrasos salariais mensais sistemáticos. Embora o sindicato sempre priorizou a negociação, mas como paciência tem limite, a entidade de classe deverá acionar a Justiça do Trabalho no fim do mês, se a gráfica não apresentar os comprovantes de pagamento de todos os passivos, como acordado entre as partes em várias reuniões.

O Sindigráficos usará do mesmo modelo de processo adotado na ação judicial contra a Art-Press, outra empresa do setor que se assemelha em irregularidades e no não cumprimento das negociações com a entidade.

No caso da Art-Press, a empresa foi condenada e acumula uma série de problemas administrativo e financeiros. Ela inclusive sofre devassada contábil sentenciada pela Justiça do Trabalho, a título de pagar tudo que deve, ora acrescido de várias autuações e multas pelo descumprimento reiterado das obrigações trabalhistas.

“Esperamos que a Clicherlux não tenha que enfrentar o mesmo fim, porém, nos próximos dias, entraremos com igual ação coletiva na Justiça representando os gráficos do local. A decisão é dela”, adianta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

A Clicherlux pode esperar para ver como fez a Art-Press, ou apresentar até o fim do mês os comprovantes de pagamento dos seus débitos com seus gráficos. Ela quem decide. O sindicato só espera até este período.

“Dinheiro inclusive é uma coisa que não deve faltar para a clicheria, uma vez que, conforme informações dos próprios trabalhadores, a produção está bastante aquecida nos últimos meses consecutivos”, conta Jurandir Franco, diretor do Sindicato, que também acompanha de perto o caso.

Embora o Sindigráficos sempre cobrou sistematicamente o pagamento de tudo durante esse período, o número de sindicalizados ainda não é alto o suficiente para fortalecer a pressão sindical perante à Clicherlux. Sindicalize-se AQUI. Proteja os seus direitos através do fortalecimento do Sindicato.

Além disso, os empregados quando se associam não pagam nada pelo serviço jurídico da entidade de classe. O advogado trabalhista Luis Carlos Laurindo, que atua no Sindigráficos, lembra que o filiado não precisa desembolsar dinheiro para pagamento de honorários advocatícios para pleitear seus direitos na Justiça. Sindicalize-se AQUI.