DESEMPREGO SOBE A 12,2% ENTRE NOVEMBRO E JANEIRO, PERÍODO QUE ENTROU EM VIGOR A REFORMA TRABALHISTA

O Brasil iniciou 2018 com aumento da taxa de desemprego acima do esperado e do número de pessoas sem trabalho, reflexo da reação débil do mercado de trabalho à recuperação econômica, apesar do governo Temer e seus congressistas aliadores terem aprovado a lei da reforma trabalhista, dizendo que melhoria a economia e ainda geraria mais empregos, o que mostrou ser o inverso, além da retirada de vários direitos dos trabalhadores. A taxa de desemprego brasileira subiu a 12,2 por cento no trimestre até janeiro de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

É bom observar que de novembro à janeiro, período desta pesquisa,  corresponde ao mês inicial que a reforma trabalhista passou a vigorar. Entre novembro e janeiro, o país tinha 12,689 milhões de pessoas desempregadas, contra contingente de 12,3 milhões no quarto trimestre de 2017 e de 12,921 milhões no mesmo período do ano anterior. Já o número de pessoas ocupadas caiu no período a 91,702 milhões, sobre 92,1 milhões no período anterior e 89,854 milhões no mesmo período do ano anterior.

O emprego informal continua ditando a regra no mercado de trabalho, que ainda mostra dificuldades de deslanchar após dois anos de recessão, apesar do cenário de inflação e juros baixos, com recuperação da atividade. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o número de trabalhadores no setor privado sem carteira assinada subiu 5,6 por cento e era de 10,987 milhões no trimestre até janeiro. Ao mesmo tempo, o contingente de empregados com carteira caiu 1,7 por cento e foi a 33,296 milhões.

FONTE: Com informações do Exame