ELEIÇÕES DA DIREÇÃO DO SINDIGRÁFICOS SERÁ NO DIA 4 E 5/07 COM CHAPA ÚNICA CHAMADA RESISTIR PRA AVANÇAR

 

No dia 4 de julho, a partir das 0h até as 18h do dia seguinte, os gráficos associados ao Sindicato dos Trabalhadores da categoria em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região (Sindigráficos) têm o compromisso marcado com as eleições da direção da entidade da classe. Serão doze urnas em toda região. Haverá urnas fixas nas unidades do sindicato em Cajamar, Jundiaí e em Vinhedo, além de uma na Jandaia e outra na Log&Print.  Haverá urnas itinerantes. Elas passarão nas empresas nas cidades de abrangência da base de representação sindical. Todos terão a chance de votar. Na última eleição, a participação foi de 97% dos trabalhadores, ocasião que elegeu a atual direção, que volta a concorrer ao comando da entidade através da chapa única chamada, a “CHAPA 1 RESISTIR PARA AVANÇAR” O novo mandato inicia em agosto de 2017 e seguirá até agosto de 2021. 

A “CHAPA 1 RESISTIR PARA AVANÇAR” é composta por trabalhadores gráficos nas empresas de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região. É formada por dirigentes sindicais experientes a frente da gestão do sindicato da classe (Sindigráficos) e na organização das lutas da categoria. E também por novas lideranças que, nos últimos anos, destacaram-se em ações nas gráficas, demonstrando o compromisso e a garra para construção de um sindicalismo forte e autêntico – critério fundamental no aperfeiçoamento dos trabalhos já desenvolvidos pela atual diretoria. O objetivo da chapa é resistir aos ataques sobre os direitos trabalhistas e previdenciários. E não permitir o enfraquecimento da organização sindical, bem como lutar para garantir o respeito à democracia na indústria gráfica, dentro do sindicato e no País. A resistência continuará na luta coletiva sindical pela garantia dos direitos e avançar nas conquistas.

“Temos muita luta à frente para avançar mais. Temos que elevar nossa organização dentro das empresas para evoluirmos mais. E isto é preciso para garantir plano de carreiras e salários, ou mecanismo de avaliação e promoção profissional com um justo reajuste salarial para incentivar os gráficos a desenvolverem suas potencialidades. Avançar mais também em melhores condições de trabalho, visando a preservação da saúde e a prevenção de acidentes, inclusive auxiliar na preparação dos cipeiros”, diz o atual presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues, candidato e líder da chapa 1.

Para avançar nestas e mais conquistas é preciso evoluir na organização sindical nos locais de trabalho. Assim, intensificaremos nossa campanha de sindicalização. A meta inicial é ampliar para 70% o quadro de filiados.  Com isso, o Sindicato fica mais forte politicamente e estruturalmente.

Balanço resumido do atual mandato      

Foi um mandato de luta em prol dos direitos da classe e com conquistas. Houve inclusive crescimento nas regiões mais distantes, mesmo com dificuldades estruturais e logísticas. Toda a base territorial do Sindicato tem sido atendida, incluindo os locais mais longínquos, como Bragança Paulista, Bom Jesus dos Perdões, Pedreira, Serra Negra, Nazaré Paulista e etc. Houve avanço de acordos coletivos melhorando a jornada de trabalho em várias empresas, com sábados alternados, redução de jornada, além do feriado no dia do gráfico, dentre outras conquistas.

Houve evolução na organização das trabalhadoras com a criação do Comitê de Mulheres, organizando-as nos respectivos locais de trabalho para contrapor preconceitos machistas e avançar em prol da igualdade de condições de trabalho e salários. No período, o Comitê fomentou a oportunizou atividades internas e externas para as trabalhadoras, como curso de formação e atos contra violência em relação às mulheres, além da participação em atividades contra reformas que prejudicam a mulher.

Teve a ampliação do Departamento Jurídico do Sindicato com o dobro da quantidade de advogados. O Dr. Luiz Carlos Laurindo foi recontratado. Os atendimentos jurídicos foram ampliados e, com isso, houve o reforço, sobretudo nas ações coletivas. A medida tem sido indispensável para proteger os trabalhadores diante da atual conjuntura de crise política-econômica, onde cresce o desemprego e empresas mal intencionadas demitem e tentam sonegar as verbas rescisórias, e até mesmos direitos de quem continua trabalhando, sendo necessário a busca de soluções na Justiça.

Foi implantado um forte projeto de Comunicação Orgânico. De segunda à sexta, o sindicato presta contas aos trabalhadores os enfrentamentos e lutas realizados em favor da categoria. Tudo é transmitido através de notícias por meio do site, facebook e e-mail. Foi criado ainda o jornal “Gráficos na Luta”. É o tabloide bimestral de oito páginas entregue pela diretoria aos gráficos nas empresas, aproximando ainda mais da base.

Espaços importantes nas instâncias do setor gráfico a nível estadual e nacional foram ampliados. O Sindigráficos hoje coordena a Presidência e a Secretariara Geral da Federação Gráfica do Estado de São Paulo. E ainda a Presidência e Secretaria de Comunicação da Confederação Nacional. Com isso, o sindicato tem participado de decisões relevantes para os gráficos da região de atuação, bem como no estado e no País.

O atendimento do Recanto dos Gráficos foi elevado. Neste mandato, houve 1.660 reservas e 2.621 pessoas visitaram a colônia do sindicato. A infraestrutura foi melhorada. Ar condicionados e algumas TVs foram trocadas. O valor da hospedagem se mantêm desde sua inauguração em 2011. Também foram realizadas grandes atividades sociais para o associado, em destaque as festa do Dia do Gráfico (7 de fevereiro), torneios de futebol, bingos das trabalhadoras, torneios de Truco e Dominó e etc.

“Além disso, reforçamos a nossa luta também no campo político”, ressalta Leandro Rodrigues. Ele frisa que a luta cotidiana do Sindigráficos tem sido contra a terceirização do trabalho sem limites. Esta que amplia as possibilidades dos patrões subcontratarem todos os trabalhadores de quaisquer setores dentro da indústria gráfica  ou qualquer segmento. A luta também é contra a reforma trabalhista. Esta que dentre os vários ataques visa desmontar a CLT e fragilizar o sindicato ao propor, por exemplo, o fim da obrigatoriedade da homologação dentro da entidade, e a criação do “delegado sindical” sem ligação com sindicato, mas com poder de decisão sobre a retirada de direitos, influenciado pelo patrão.

“Lutamos contra prevalência do ‘Negociado sobre o Legislado’. Projeto contido na reforma trabalhista e que dá poder ao patrão, sobretudo em época de crise econômica, recessão e desemprego, como hoje, para pressionar seus trabalhadores por redução ou até a retirada de direitos”, diz Rodrigues. A luta também tem sido intensa contra a reforma da Previdência do Temer – projeto este que é um dispositivo bem pior que o  “Fator Previdenciário” através da Fórmula 85 95″ (soma da idade com o tempo de contribuição). E é pior porque  amplia de 15 para 25 o tempo mínimo de contribuição ao INSS, acaba com o a aposentadoria por temo de serviço, amplia o tempo de contribuição para 49 anos e eleva a idade mínima para 65 anos para homens e 62 para as mulheres.

“Companheiros e companheiras gráficas, seu voto será muito importante para darmos continuidade na luta”, diz Rodrigues. Para votar, basta o eleitor comparecer perante a mesa coletora, que será instalada no local de trabalho e apresentar um documento com foto (RG, CTPS, Crachá de Identificação, etc…), assinar a lista de votantes, retirar a cédula de votação, dirigir-se a cabine de votação, assinalar o voto na cédula e depositar na urna, agindo assim o associado colaborará com a democracia e fortalecimento da Entidade Sindical.