EMPRESAS VOLTAM A DESFALCAR PRODUTOS DAS CESTAS BÁSICAS DOS GRÁFICOS. VEJAM OS ITENS OBRIGATÓRIOS

Nas últimas semanas, várias denúncias de gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região têm chegado ao Sindicato da categoria (Sindigráficos ) sobre o desfalque nos produtos alimentares que devem constar na cesta básica mensal dos trabalhadores. O benefício é obrigatório. Ele consta na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da classe. Tem força de lei. É um dever do patrão. A cesta não é opcional e nem bondade patronal. A quantidade e qualidade dos produtos também são definidos pela CCT. Conheça bem sobre este direito coletivo e denuncie ao Sindigráficos em caso do patrão fugir da regra. O sigilo e a ação sindical são garantidos.

Pela regra da convenção, a cesta básica precisa ter 11 tipos de produtos distintos e mais uma caixa de papelão onde deve guardá-los e entregar a cada trabalhador mensalmente. Qualquer gráfica pode trocar a cesta por um vale alimentação, mas o valor deve ser suficiente para comprar todos os produtos nos supermercados do local onde a empresa situa-se. O Sindicato inclusive fará uma pesquisa do valor nas cidades da região e divulgará para o conhecimento de todos. De início, será realizada uma pesquisa em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo, Bragança e na região Serrana. Se o vale-alimentação for inferior ao da pesquisa, denuncie ao sindicato.

Em relação à quantidade e à qualidade dos 11 produtos da cesta básica, a denúncia também deve ser feita se não estiverem corretas. Não basta ser entregue todo mês, mas é preciso ter os alimentos e especificações a seguir:  Dois pacotes de 5kg arroz agulhinha tipo 1; três pacotes de 1 Kg de feijão carioca; dois pacotes de 1Kg de açúcar refinado; um pacote de 500g de café torrado e moído; um pacote de 1Kg de farinha de trigo especial; um pacote de 1Kg de fubá mimoso; três pacotes de 500g de macarrão espaguete; três latas de 900ml de óleo; uma lata de 260g de extrato de tomate; um pacote de 1Kg de Sal; um pacote de 400g de leite em pó. Também é obrigatório que estejam em embalagem de papelão.

Em tempo de perda do poder de compra do trabalhador diante da crise econômica e do desemprego que só crescem devido inclusive da nova lei do trabalho de Temer, o direito convencionado da cesta básica torna-se ainda mais importante.  “Dessa forma, o salário do gráfico já pode ser utilizado para comprar mais e/ou outros produtos. Entretanto, por ser um direito da CCT, que perde a validade no próximo dia 31 de outubro,  a categoria precisa lutar na campanha salarial para renovar este direito e outros 86 contidos na convenção”, diz Jurandir Franco, diretor sindical.