ESTABILIDADE NA VOLTA DAS FÉRIAS E FIXAÇÃO DO VALOR DA CESTA BÁSICA SÃO PROPOSTAS PARA A CAMPANHA

camp2 camp3 camp4

A atual crise financeira e seus reflexos nos setores produtivos serão uns dos componentes que farão parte das negociações da nova campanha salarial dos trabalhadores gráficos de Jundiaí e demais Regiões de São Paulo. A campanha será mais uma vez realizada de forma unificada entre os sindicatos obreiros, visando ampliar o poder nas tratativas com o setor patronal. A data base da maioria é em 1º de outubro. A pauta de reivindicação dos trabalhadores será concisa, a fim de alcançar ganho real no salário e os ajustes em cláusulas sociais da Convenção Coletiva de Trabalho. A intenção é proteger os gráficos neste período adverso da economia. Uma única pauta será criada com os sindicatos. Estabilidade no emprego por três meses após a volta das férias e a fixação mínima de R$ 130 no valor da cesta básica são algumas das propostas elaboradas pelo Sindicato dos Gráficos de Jundiaí (Sindigráficos) e já  enviadas à Federação Estadual da categoria (Ftigesp) – órgão regional responsável pela montagem da pauta conjunta da campanha salarial. Os sindicalistas de Jundiaí defendem ainda a atualização do salário com base na recomposição da inflação anual (nov/14 a out/15) e mais 5%. A pauta também solicita que o mesmo índice de aumento salarial deve ser usado no reajuste da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Outra reivindicação é de que seja aplicada uma multa no empresário que atrasar a PLR, a mesma já usada no atraso do pagamento salarial. 

camp5A preocupação do Sindigráficos para evitar a demissão de trabalhadores  neste tempo de crise econômica se estende a gráficos que estão perto de se aposentar, exatamente daqueles que falta apenas um ano. Hoje já há uma cláusula que obriga o empresário a pagar todas as contribuições previdenciárias do gráfico demitido há um ano de se aposentar, desde que ele tenha cinco anos na empresa. A pauta de reivindicação, neste caso, exigirá a estabilidade no emprego do trabalhador nesta condição.

Outra relevante reivindicação de cunho social é a ampliação do direito das trabalhadoras em poder faltar o emprego para acompanhar os filhos ao médico. Hoje há o direito de 10 ausências para acompanhar filhos de até 12 anos. O Sindicato solicitada que seja ampliado para até 17 anos. Neste linha de benefício para as mães, os sindicalistas defendem que o auxilio creche seja concedido às trabalhadores com filhos de até 5 anos. Atualmente é obrigatório para as funcionários com filhos de até 3 anos.

camp1A inclusão de mais um dia por mês para o sindicalista se reunir para as atividades da entidade de classe é outra reivindicação do Sindigráficos. E ainda a inclusão da Hepatite C na lista de doenças que devem compor os esclarecimentos obrigatórios nas campanhas de proteção à saúde do trabalhador de responsabilidade do empresário, conforme determinadas pela Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. “Como se pode ver, sugerimos uma pauta compacta e sem grandes exigências em razão da crise econômica. Esperamos que o patronal seja coerente e a aceite-as sem dificuldades. Há propostas sem custos algum para os patrões”, fala o presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues. O sindicalista explica que pode haver alterações na pauta de reivindicação após avaliado pela direção da Ftigesp, já que este órgão juntará as propostas de todos os sindicatos dos gráficos e apresentará uma única pauta coletiva a todos. A proposta final será apresentada aos gráficos de Jundiaí no dia 30, em assembleia geral. Na ocasião, serão deliberados os encaminhamentos.