GRÁFICA EMEPÊ AMANHECE COM AS MÁQUINAS PARADAS E AMPLIARÁ O MOVIMENTO SE GOLPE A DIREITOS CONTINUAR

Nesta sexta-feira (24), ainda de madrugada em Vinhedo, os gráficos da Emepê, uniram-se ao Sindicato da classe (Sindigráficos), para lutar pelo direito de continuar recebendo a hora-extra trabalhada e mais direitos. A revolta da classe é generalizada. Pois, apesar de pedir só a manutenção de direitos e um reajuste salarial digno, o sindicato patronal quer acabar com o pagamento da hora-extra e outros diretos dos gráficos da Emepê e de todas gráficas em quase todo estado. Assim, a assembleia de hoje, com 150 gráficos do 1º e 3º turnos da Emepê, logo se transformou em paralisação da produção. Eles cruzaram os braços. Só não continuaram por tempo indeterminado a pedido do Sindigráficos. Hoje, mais tarde, haverá a 4º rodada de negociação com o sindicato patronal, que já foi notificado de greve antes pelo Sindigráficos e gráficos de outras regiões.

A reunião será hoje às 15h na capital. A campanha salarial da categoria é unificada no estado. Logo, o seu resultado é de interesse dos gráficos da Emepê e das demais gráficas de Vinhedo, Cajamar, Jundiaí e quase todas as regiões do estado. Até agora, sequer a pauta de reivindicação dos trabalhadores foi analisada. Os patrões só exigiram o fim de direitos em sintonia com a reforma trabalhista do Temer e congressistas aliados.

O fim do pagamento da hora-extra e da homologação no Sindicato da rescisão contratual são algumas das exigências dos patrões. “O levante suspenso na Emepê é só um sinal do que ocorrerá se o golpe patronal sobre os direitos continuar, já que nenhum gráfico de qualquer empresa aceitará reduzir o seu dinheiro trabalhando a mais, nem aceitará perder qualquer coisa”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos e secretário-geral da Federação dos Trabalhadores Gráficos do Estado.

Outras notificações de greve de mais regiões devem ser apresentadas ao sindicato patronal se insistir neste ataque aos direitos dos gráficos do estado. Até o momento, as notificações já abrangem todas as gráficas das regiões de Jundiaí, Guarulhos e Taubaté. No interior de Sorocaba e Bauru também houve assembleias de gráficos nas semanas anteriores, bem como na região de Barueri/Osasco. Há poucos dias, assembleias também iniciaram, ainda sem paralisação, em uma empresa na capital. E todos sindicatos dos gráficos no estado participaram da ultima mesa  de negociação com o patronal, saindo indignados do ataque lá proposto.