GRÁFICAS ADOTAM MEDIDAS ALÉM DA DISPONIBILIZAÇÃO DE ÁLCOOL EM GEL, LAVAGEM DE MÃOS E LICENÇAS DE GRÁFICOS

A orientação do gabinete de crise do Sindicato dos gráficos (Sindigráficos) para a preservação da vida, saúde e do emprego e salários dos trabalhadores diante do Covid-19 é que as empresas concedam licenças remuneradas e férias coletivas. Dezenas de gráficas já começaram a fazer isto de forma parcial ou total. A ação contribui para a ampliação do número de trabalhadores em quarentena para evitar o contágio e a proliferação do coronavírus, que já matou 40 pessoas no estado de SP. O sindicato também recomenda para todas as gráficas em atividade a implementação de várias iniciativas sanitárias voltadas à proteção dos trabalhadores no ambiente de trabalho. A disponibilização do álcool gel e o monitoramento da lavagem das mãos são de responsabilidade das empresas, que podem adotar mais medidas.

A gráfica Nova Página em Cajamar já instalou 27 pontos de álcool em gel em suas instalações. Também é aferida a temperatura dos empregados três vezes por semana. É liberado do serviço quem tiver com sintoma. No local também tem sido adotado ações para a redução das aglomerações dos funcionários durante a refeição e também no grêmio recreativo, que foi fechado temporariamente. Além da oferta de álcool em gel, todos os profissionais da Emepê receberam até máscaras na unidade em Vinhedo. A empresa também tem mandado para casa de forma remunerada todos os gráficos com febre e tosse, preservando a saúde de todos e familiares.

A gráfica Jandaia em Caieiras tem apostado inclusive em campanhas de informação junto aos trabalhadores. Cartilhas de prevenção do novo vírus e de assepsia têm sido distribuídas até na hora das refeições, além de ter ampliado a distribuição de álcool gel. A fim de reduzir o fluxo de pessoas e em atenção à segurança alimentar dos gráficos, antecipou a entrega da cesta básica de abril para esta semana. A alimentação melhora o sistema imunológico e poderá evitar a mortalidade de pessoas com o coronavírus.

O uso de máscaras também tem sido uma prática entre os trabalhadores da Primos Etiquetas, em Louveira. A empresa inclusive tem recomendado a manutenção da distância de dois metros entre cada empregado. A ação reduz a possibilidade da transmissão do novo vírus entre as pessoas. A temperatura de todos os profissionais tem sido aferida no início da jornada e no retorno do almoço. A empresa também conta que quem tiver contado com alguém doente, deve ficar em casa até o resultado do teste do vírus.

A lavagem de mãos passou a ser realizada de duas em duas horas dentro da Esdeva em Cajamar, além da disposição do álcool em gel. A circulação de visitantes e de fornecedores está sendo restringida para a redução da aglomeração de pessoas no local, reduzindo o risco do contágio do vírus. A gráfica Oceano, também em Cajamar, ampliou a oferta do álcool em gel no parque industrial e tem restringido a aglomerações dos trabalhadores. A gráfica Gonçalves inclusive adotou alguns procedimentos de mudanças nos horários de trabalho e refeições, no sentido de evitar aglomerações.

A melhoraria da ventilação do parque indústria também tem sido adotada por gráficas para auxiliar na diminuição da transmissão do coronavírus. A Redoma decidiu manter todas portas abertas para aumentar a ventilação. Também tem orientado os gráficos que apresentarem sintoma ligado ao vírus para não irem trabalhar e procurarem o médico urgente. O gabinete de crise do Sindigráficos continuará acompanhando a situação e orienta os trabalhadores a acionarem a entidade pelo número de telefone fixo (11 4492 9020). A entidade disponibiliza outros dois números celulares (11 97199 2087 e 11 97166 9785), que também são contatos de WhatsApp.