GRÁFICA LEAL E STUDIO GRAPHCS SE AJUSTAM COM BLITZ SINDICAL. JÁ FINAMORE E ABR RESISTEM MESMO ERRADAS

braga1

A segunda blitz dos sindicalistas gráficos nas empresas em Bragança Paulista descobriu sonegação em direitos dos funcionários da Finamore e da ABR, empresas com o mesmo dono. Semanas anteriores, o Sindicato já havia monitorado outras gráficas de Bragança, a exemplo da Leal e da Studio Graphcs. Na ocasião, a entidade cobrou soluções e anunciou que voltaria ao local. Nesta nova blitz, verificou a solução das falhas na Leal, que pagou a Participação dos Lucros e Resultados (PLR) e mudou até de prédio pelo bem-estar dos empregados. Já a Studio Graphcs sinalizou a abertura para negociar com o Sindigráficos diante das cobranças. O dono da Finamore e da ABR, por sua vez, ao invés de pagar o que deve aos próprios funcionários, decidiu agredir verbalmente sindicalistas e fazer ameaças. O episódio só aumentou o ânimo sindical de continuar o trabalho em defesa dos gráficos, seja de forma negociada, como fizeram a Leal e a Studio, ou através da intervenção dos órgãos públicos (Ministério do Trabalho e da Justiça).

finamoreAo invés de pagar a PLR dos 10 gráficos da ABR e de dois da Finamore, que venceu desde 5 de abril, o dono das empresas se indispôs com sindicalistas que visitavam o local para fiscalizar se havia mais falhas, a exemplo das condições de saúde e segurança dos funcionários e etc. “Este é o nosso papel institucional: defender os trabalhadores de patrão sonegador de direitos. E tais empresas devem a PLR e tem que pagar. Direito não se discute, se cumpre”, diz o presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues, criticando a agressão verbal e ameaça que testemunhou, sem reação de sua parte ou dos outros sindicalistas presentes.

O dirigente ratifica que o único objetivo do sindicato é cobrar direitos sonegados e adianta que a resposta da entidade será acionar os órgãos competentes se o patrão não pagar os R$ 302,86 da parcela da PLR de cada gráfico. “Se agrediu e ameaçou sindicalistas que só trabalhavam, é grande a probabilidade de ocorrer assédios sobre os seus funcionários, que devem nos procurar se sofrerem algum tipo de abuso ou injustiça”, adiantou Rodrigues. Este patrão foi inclusive acionado na Justiça pelo sindicato em 2014 após demitir um gráfico por Justa Causa indevida. Ele teve que rever o caso e fez acordo judicial para evitar prejuízos maiores.

leal1Nova Leal

A Gráfica Leal deixou a antiga instalação no bairro de Santa Libânia e agora está no Centro de Bragança. A mudança atendeu a reivindicação do Sindigráficos. O antigo local estava repleto de mofo e umidade. “Hoje não há mais um ambiente insalubre para os trabalhadores. Tudo está melhor graças a boa vontade do empresário em resolver a situação sem a necessidade de acionarmos os órgãos públicos”, parabeniza Jurandir Franco, diretor do sindicato que acompanhou o caso. A empresa ainda resolveu suas pendências com as PLRs dos gráficos. Está tudo em dia.

studioAcidente na Studio

Diante da blitz sistemática do Sindigráficos sobre a Studio Graphcs em busca de esclarecimento de um acidente laboral de um gráfico em abril, a empresa se colocou à disposição da entidade de classe para tratar da questão. A reunião deve acontecer até o final do mês. O sindicato quer saber as razões do acidente, como está o trabalho da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e mais obrigações legais referentes à saúde e à segurança dos cerca de 30 funcionários da empresa no local.