GRÁFICAS PODEM TER PRODUÇÃO PARADA A PARTIR DESTA QUINTA-FEIRA EM RESPOSTA AO ATAQUE PATRONAL ONTEM

A partir de amanhã (9), qualquer gráfica de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região pode ter a produção paralisada, baseada na lei federal de greve, a mesma que proíbe represália aos que lutam por seus direitos atacados e que impede a contratação substituta de mão de obra enquanto durar o movimento paredista e até depois. O sindicato patronal já foi notificado ontem pelo órgão dos trabalhadores (Sindigráficos). E só ocorreu após os patrões exigirem o fim da PLR para trocar por um abono salarial que é mais fácil de ser retirado depois. E insistirem em não renovar os 87 direitos convencionados baseados na histórica data-base da classe (1º de novembro), rompendo a tradição, com risco real da perda de validade dos direitos, a fim de pressionar pelo fim de vários deles na negociação.

O Sindigráficos espera a sensatez das empresas da região, acreditando  serem elas as únicas interessadas em evitar o conflito entre as classes com efeito direto na interrupção da produção com paralisações e greves.

“Convençam seu sindicato patronal que os direitos de seus funcionários devem ser mantidos. Porque serão vocês, donos das gráficas da região que darão a palavra final sobre o começo das paralisações com tempo maior ou menor”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Apesar de tentar evitar o conflito, alertando antes o patronal da possível concretização da notificação de greve se continuasse tais ataques, não restou outra escolha frente a insistência dos empresários de pressionar pela troca da PLR por abono e a extinção de mais direitos dos gráficos a partir do fim da data-base de novembro, pois permitirá a aplicação ainda maior dos prejuízos com a reforma trabalhista em vigor já neste sábado.

Até o momento, o patronal sequer analisou a pauta de reivindicação dos trabalhadores, mas usa de muitos meios para aplicar a perda de direitos. A fim de garantir todos 87 direitos coletivos dos gráficos, a começar pela histórica data-base, e que o patronal analise a pauta dos trabalhadores, o Sindigráficos inclusive tem ampliado as assembleias com os gráficos de várias empresas. As ações foram intensificadas ontem, mas iniciadas na última semana com a grande assembleia na Gonçalves, em Cajamar.

Uma das três assembleias de ontem, por exemplo, aconteceu no horário da 2ª rodada de negociação com o sindicato patronal. A atividade foi feita com funcionários da Jandaia em Caieiras, liderada pelo sindicalista Jurandir Franco.

Enquanto isso, o patronal insistia no ataque à PLR e à data-base da categoria, pondo em risco todos os 87 direitos, já que a validade acabou e não foi renovado em 1º novembro, como ocorria há décadas.Horas antes, mais duas assembleias eram realizadas com gráficos da D’arthy e Nova Página, ambas empresas em Cajamar.

“As novas assembleias previstas podem ser acompanhas de paralisações, e, a depender da decisão da empresa, com greve”, sinaliza Rodrigues.