GRÁFICO, MESMO SE DEMITIDO, TERÁ FGTS CONFISCADO POR ANOS PELO GOVERNO SE OPTAR PELO SAQUE ANUAL DE R$ 500

Na última semana, Bolsonaro publicou uma medida provisória onde libera R$ 500 anual do saldo do FGTS ativo do gráfico e demais trabalhadores. O governo diz que estes R$ 500 vai ajudar a economia nacional. O valor, porém, não resolve a economia. Talvez não resolve nem a necessidade do gráfico que optar pelo recebimento na data do seu aniversário a partir de 2020. A medida, por sua vez, pode ainda prejudicar bastante o FGTS do trabalhador. Embora não foi divulgado pela grande mídia, quem pegar os R$ 500, terá o resto do dinheiro confiscado pelo governo ao menos por dois anos. O gráfico não poderá sacá-lo nem se perder o emprego, o que contraria a lei do FGTS, criada desde a década de 1970, no Golpe Militar.

“Se quiser mais de R$ 500 do seu FGTS, estando desempregado ou não, terá de fazer empréstimo junto ao banco para pegar seu próprio dinheiro, tendo de deixar uma parte dele para pagamento de juros do empréstimo. Esse é mais um prejuízo ao trabalhador que terá o seu FGTS confiscado se este optar pela modalidade de saque anual de até R$ 500 na data do seu aniversário”, alerta Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato da categoria na cidade de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região (Sindigráficos).

“A crítica do sindicato não se trata do valor de R$ 500. Cada gráfico sabe onde o calo aperta. Pega quem quiser. Pode ser pouco para alguns, mas pode ser o necessário para outros. Porém, o nosso alerta aqui é para que, se for escolher por esta modalidade de saque anual em pequenos valores, faça sabendo que o saldo geral do FGTS ficará confiscado pelo governo, mesmo se for demitido da empresa. Não sacará todo o valor do FGTS. Só vai receber R$ 500 na data do seu aniversário. Isso só mudará dois anos depois de solicitar a Caixa para sair desta modalidade”, diz Leandro.

Portanto, o prejuízo dessa medida é ainda maior sobre o gráfico que tiver mais tempo de empresa, este que acumulou um valor maior na sua conta do FGTS. Desse modo, se optar em receber só R$ 500 anual do FGTS, ficará um grande valor bloqueado pelo governo mesmo após a demissão. Quem não optar por esta modalidade, continua tendo o direito de receber de uma única vez todo o saldo do FGTS e mais o valor de 40% da multa.

O Sindigráficos aproveita para orientar todo gráfico de qualquer empresa a denuncia AQUI se o patrão não estiver depositando o FGTS todo mês. A lei obriga todo patrão a depositar o valor de 8% da remuneração mensal do trabalhador. A entidade convida a categoria também para se associar AQUI para fortalecer o sindicato na luta em prol dos interesses da classe.