GRÁFICO QUE GANHA PISO SALARIAL TERÁ O PIS CORTADO NO PRÓXIMO ANO POR DECISÃO DE BOLSONARO E 379 DEPUTADOS

No dia 25 começa o pagamento do abono salarial do PIS dos gráficos e demais trabalhadores que recebem até cerca de R$ 2 mil de remuneração mensal. O abono é um direito financeiro para tais profissionais. Ganham um salário mínimo para complementar a renda uma vez por ano. O prazo para receber o PIS 2020/2021 segue até junho do próximo ano. Por sinal, será a última vez que os gráficos terão a oportunidade a este direito, como decidiu Bolsonaro e os 379 deputados federais que aprovaram a reforma da Previdência na última semana. A proposta cortou o PIS dos gráficos. Os gráficos e todos empregados que tem um piso salarial superior a um salário mínimo nacional não recebem mais o PIS. Portanto, agradeçam a Bolsonaro e aos 379 deputados favoráveis à reforma porque esta será a última vez que terá o direito ao complemento à renda com salário mínimo anual através do PIS.

Resta agora aprender que o voto não tem preço ou ilusão, mas consequência dura. “Isso é o resultado de quem decidiu votar em Bolsonaro iludido por várias razões e que não escutaram os conselhos do sindicato”, realça Leandro Rodrigues, que é o presidente do Sindicato dos Gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e Região (Sindigráficos).

Pela reforma aprovada, todos os gráficos ficam de fora do direito ao PIS. Aproveitem então esta última oportunidade de receberem. A liberação do pagamento está condicionada ao mês do aniversário de cada profissional. Depois disso, nada mais de PIS. Portanto, Bolsonaro e os 379 deputados prejudicaram os gráficos ao decidiram que quem recebe o piso salarial da classe, hoje de aproximadamente R$ 1,7 mil, não deve ganhar mais PIS.

O Sindigráficos repudia, mas relembra aos trabalhadores que isso resulta do voto em políticos ligados aos setores patronais e não de trabalhadores. Afinal, a reforma previdenciária só foi aprovada porque a grande maioria de deputados é ligada aos empresários e uma minoria aos trabalhadores.

“Votar em patrão, ou em quem é contra os trabalhadores, a exemplo de um sujeito como Bolsonaro, só prejudica o empregado que não só perderá o PIS, apenas uma maldade contida da reforma da Previdência aprovada. A classe trabalhadora não se aposentará mais ou terá de contribuir mais tempo e ganhar muito menos. Resta agora esperar a próxima eleição, já em 2020 para prefeitos e vereadores, e não votar nos políticos apoiados por estes partidos e políticos que fizeram estes males”, orienta Leandro.