GRÁFICOS DE JORNAIS DO INTERIOR E DA CAPITAL DEVEM TER REAJUSTE SALARIAL ESTE MÊS

Data-base dos trabalhadores é no mês de outubro. Negociação está bem avançada nas empresas do interior. E iniciará na capital próximo dia 16. Nesta semana, os gráficos dos jornais no interior do estado de São Paulo, a exemplo dos trabalhadores do jornal Cruzeiro do Sul, em Sorocaba, vão ter o reajuste salarial neste mês. Estão avançadas as tratativas entre a Federação dos Gráficos do Estado (Ftigesp), representando os sindicatos da classe (STIG) onde há jornais paulistas interioranos, e o sindicato patronal. O representante dos patrões já garantiu ao presidente da Ftigesp, Leonardo Del Roy, a recomposição salarial total e a manutenção de toda a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria.

Pelo apalavrado, o reajuste será do tamanho da inflação acumulada dos últimos 12 meses. Portanto, vai recuperar as perdas salariais de outubro de 2018 até o último mês de setembro. O número oficial da inflação de setembro foi apresentado pelo governo federal ontem: 2,92%. Ele deve ser contabilizado para o aumento dos salários e cláusulas econômicas da convenção, inclusive na Participação dos Lucros e Resultados (PLR).

Portanto, a inflação anual será aplicada sobre os atuais pisos normativos e funcionais. O piso normativo é garantido para o gráfico com menos de um ano no jornal. O valor atual é de R$ 1.267,85. A partir de 12 meses de empresa, passa a receber o piso funcional no valor de R$ 1.458,03. Ainda deverá ser aplicada a inflação anual sobre a PLR, que hoje é de R$ 840, dividida em duas parcelas de 420 (primeira em fevereiro e 2ª em agosto). A cesta básica também está garantida. O valor mensal é de R$ 175,39.

Não só os gráficos dos jornais do interior devem ter aumento em outubro. Os gráficos dos jornais e revistas da capital paulista também devem ter o reajuste do período. Ambos têm a data-base em 1º de outubro. A Ftigesp, junto com os STIG São Paulo e de Barueri/Osasco, terão a 1ª rodada de negociação com o sindicato patronal no próximo dia 16. Os trabalhadores reivindicam um reajuste a partir de 4%, ou maior se a inflação acumulada for maior. Ainda pleiteiam a renovação integral da respectiva convenção.

A negociação da Ftigesp e STIGs junto ao patronal dos jornais e revistas da capital representa as maiores empresas do segmento do Brasil, já que o resultado afeta diretamente os gráficos dos jornais Estadão e Folha de São Paulo, bem como os gráficos da Editora Abril, com diversas revistas.

FONTE: FTIGESP