GRÁFICOS PASSAM A RECEBER MENOS A PARTIR DESTE MÊS DIANTE DO DESCONTO MAIOR DO INSS DEFINIDO PELO GOVERNO

A partir deste mês, como definiu Bolsonaro com a reforma previdenciária, o gráfico receberá na prática de 1% a 3% a menos, diante do aumento de tributação no salário. O desconto se refere a maior contribuição mensal dos trabalhadores para o INSS. Pelo definido, nem mesmo quem ganha o piso salarial da categoria se livrará desse desconto. Quem recebe até R$ 2.089,60 verá no seu holerite o desconto de 9% de INSS e não mais de 8%. Portanto, o dinheiro a receber vai ficar menor em 1%. A situação é ainda pior para quem ganha a partir de R$ 2.089,61. Apesar do salário continuar o mesmo, como haverá aumento de carga tributária bem maior, o gráfico sentirá uma redução do seu dinheiro disponível na ordem de 3%.

Pelas novas regras desse governo eleito com o voto de muitos gráficos, quem ganhar um centavo a mais do salário mínimo nacional já paga mais e receberá menos. Salário de R$ 1.045,01 a R$ 2.089,60 passa a pagar 9% e não mais 8%. De R$ 2.089,61 a R$ 3.134,40 subiu de 9% para 12%. Elevou de 11% para 14% quem tem salário de R$ 3.134,41 a R$ 6.101,06. “Portanto, preparem-se para receber menos como assim decidiu Bolsonaro a partir deste mês”, informa Leandro Rodrigues, presidente do Sindicato dos Gráficos de Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região (Sindigráficos).

Ao invés de fazer uma reforma tributária para reduzir os tributos sobre a sociedade, esta medida aumenta a carga e de forma direta sobre o salário dos trabalhadores. “Enquanto isso, esta mesma reforma previdenciária se quer criou mecanismos para evitar a sonegação do INSS por parte das empresas. Também não aumentou a taxa sobre os empresários, mas só sobre a classe trabalhadora. Pelo contrário, o governo criou a carteira verde-amarela onde nem INSS o patrão precisa pagar. Se ainda tinha gráfico achando que esse governo seria melhor, pode até ter razão, mas só para o patrão”, desabafa Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos.

A consequência desse aumento de 1% a 3% de tributação do salário dos gráficos para pagar mais INSS é o rebaixamento salarial na prática, posto que uma parte maior do dinheiro ficará confiscado no ato do pagamento. O poder de compra do trabalhador ficará menor, apesar do custo de vida não baixar, pelo contrário. “Quando falávamos para o gráfico para não se iludir com Bolsonaro porque esse governo não representava o interesse do trabalhador, grande parte votou nele e ainda continua apoiando. Agora estão vendo do que ele é capaz, reduzindo seus salários”, realça Leandro.