GRÁFICOS TÊM MÉDICO NA EMPRESA TODA SEMANA, CADA TRABALHADOR RECEBE 500 ML DE ÁLCOOL EM GEL E GESTANTES TRABALHAM DE CASA

O comando de crise do sindicato segue pela terceira semana monitorando a situação das gráficas que continuam em atividade, apesar da orientação para que dessem licenças ou férias remuneradas para os trabalhadores. Em Louveira, por exemplo, o prefeito da cidade publicou o decreto citando até a criminalização sanitária e penal sobre os que descumprirem a regra de confinamento. Mas o gestor isenta os setores da cadeia de alimentos, remédios e higiene. A gráfica FlexCoat, enquadrada sindicalmente desde 2019, fornece rótulos autoadesivos justamente a estes três segmentos. E por esta razão, revelou ao Sindigráficos que não pode parar as atividades. Porém, garantiu que tem aplicado medidas para segurança dos seus 126 gráficos, inclusive para os com mais idade, com problema de saúde e para as gestantes.

A empresa tem garantido a presença de um médico na unidade uma vez por semana. Daniele Melo, do Recursos Humanos da Flexcoat, conta que além da gráfica estar seguindo todas as recomendações do Sistema de Saúde e do Governo Estadual, os trabalhadores têm sido acompanhados direto pelo médico. Segundo a gestora, isso é uma das ações em busca da garantia da segurança dos funcionários, que continuam mantendo alto nível dos serviços. A Flexcoat tem o apoio até dos fornecedores, como a JBS, Johnson e Itambé. Defendem que a empresa precisa continuar em atividade. A gráfica garante que os consumidores dependem dos produtos.

Além do médico do trabalho semanalmente, que já era uma prática antes da pandemia, a Flexcoat garante que tem apostado em boas práticas de higienização das mãos dos gráficos. “Temos álcool em gel distribuídos nos locais de acesso a fábrica e entregamos para cada colaborador um frasco de 500 ml, para que todos redobrem a atenção e os cuidados”, diz a gestora do RH. Embora ela não precisou ao sindicato a quantidade de empregados mais vulneráveis ao covid-19 que foram colocados de férias ou licença, como orienta o sindicato, Daniele informou que a empresa está avaliando os funcionários de maior risco, devido idade/histórico de saúde.

O Sindigráficos também se preocupa com a situação das trabalhadoras, em especial daquelas que estão grávidas, e das possíveis ameaças para a mãe e o filho no ventre. Neste sentido, a Flexcoat garantiu que inclusive modificou as condições de trabalho das profissionais que estão gestantes. Odair Thomé, assessor sindical que atua no comando de crise da classe em Cajamar, Jundiaí, Vinhedo e região, recebeu a garantia da gráfica de que o serviço presencial de cinco empregadas, sendo três delas grávidas, mudou para modalidade home-office, trabalhando só dentro do domicílio.