GRÁFICOS DA JANDAIA CRIAM COMISSÃO PARA TROCAR CONVÊNIO MÉDICO POR FALHAS E DESASSISTÊNCIAS

PLANOa PLANOb PLANOc

Pagar por um convênio médico, mesmo que pouco, mas que não atende as necessidades do paciente de nada serve, pois põe em risco a saúde e a vida de quem precisa. Este é o sentimento da maioria dos gráficos da Jandaia, situada na cidade de Caieira/SP. Os trabalhadores possuem um convênio com a Plena Saúde, onde a Jandaia arca com cerca de 90% do valor, mas diante de tanta precariedade, convivem com a demora no atendimento e na marcação das consultas. Faltam ainda especialidades médicas para consultas e exames. Existem até casos de imperícias dos profissionais de saúde. Diante de tanta desassistência e graves falhas, os trabalhadores formaram uma comissão para tratar do assunto com o RH da Jandaia. Os problemas descritos foram relatados à empresa. Os funcionários exigem o cancelamento do contrato com o convênio e a substituição por outro que atenda as necessidades deles. Um dos hospitais da rede credenciada ao Plena Saúde que é disponibilizado ao trabalhador da Jandaia, por exemplo, é o Centro de Assistência Médico Morato (CEAM), em Franco da Rocha – unidade de saúde onde registrou recentemente a morte de gestante por suposta imperícia.

PLANOO RH da Jandaia reconhece os problemas e já solicitou as melhorias ao convênio. Este, por sua vez, reuniu-se com a Comissão e o RH para anunciar varias adequações. A Comissão não acredita nelas, visto que já houve promessas antes sem a efetivação. O RH começou a pesquisar novas possibilidades, mas dará mais tempo para o convênio cumprir as promessas. O contrato vence em novembro.

Os trabalhadores exigem outro convênio em defesa da saúde dos funcionários. O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Gráfica de Jundiaí e Região (Sindigráficos) defende a reivindicação da Comissão dos funcionários da Jandaia, que conta com a participação ativa dos sindicalistas Fábio Meira e Regina Aparecida da Silva.

“Já existem dramas enfrentados por colegas nossos daqui da Jandaia devido à falta de assistência adequada desse convênio médico com os trabalhadores “, conta Fábio. Além dos casos mais sérios com terríveis consequências para a vida e à saúde dos funcionários ou dependentes, o dirigente fala que existem inúmeros casos de desassistências que não colaboram com a saúde de ninguém. Ele conta que também é comum o descumprimento dos prazos mínimos para a marcação de consultas e  exames, conforme define a Agência Nacional de Saúde Suplementar.

PLANO1Diante de tanto problema com o convênio médico, foi feito um abaixo assinado dos trabalhadores da Jandaia requerente a troca do convênio. Em seguida, no final de julho, o sindicalista Fábio, que é impressor há mais de 10 anos na empresa, junto a outros funcionários formaram uma comissão para tratar da questão junto ao RH da empresa.

Desde então, algumas reuniões já foram realizadas entre os trabalhadores e o RH e até com representantes do Plena Saúde. Na última, por sinal, que ocorreu no fim de agosto, o convênio anunciou algumas melhorias nos serviços para corrigir os problemas. Ainda assim, a comissão pede o rompimento do contrato diante dos diversos problemas, inclusive de cunho estrutural.

FABIOO valor pago no convênio e as dificuldades na oferta de serviços de saúde na Região no entorno da Jandaia, aumentam as dificuldades na troca imediata da Plena. Todavia, o RH da Jandaia já informou que analisa novas propostas de convênios médicos, porém, dará, até o final do prazo do atual contrato com a Plena, que termina em novembro, o tempo para que seja feita as melhorias anunciadas.

O presidente do Sindigráficos, Leandro Rodrigues, conta que apoiará a decisão dos trabalhadores e dará todo o suporte à posição analisada por Fábio e Regina. “Se a decisão for de mudar o convênio, mesmo se acontecer as melhorias, o sindicato defenderá a mudança do convênio sim”, ressalta o dirigente. No entanto, ele adianta que a empresa Jandaia sempre deve buscar garantir um menor custo para o seu trabalhador. E, dentre tais iniciativas empresarial, a manutenção da cobrança de 10% com o novo convênio médico é uma das suas obrigações que devem ser seguidas.