Gráficos se unem para a Campanha Salarial 2013

DSC_0056

Os trabalhadores ligados ao Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e Região aprovaram na manhã deste domingo, dia 15, a pauta trabalhista da Campanha Salarial 2013. A reunião também foi marcada pelo consenso dos trabalhadores com a notícia da ruptura do Sindicato com a Federação dos Gráficos do Estado de São Paulo.

A assembléia que marcou o início da Campanha Salarial dos Gráficos de Jundiaí e região ocorreu na sede do Sindicato e contou com a presença dos trabalhadores de diversas cidades, além da diretoria sindical. O tema da campanha será “Luta e mobilização contra a choradeira do patrão” e os trabalhos não têm data para terminar.

“Faremos uma campanha para chocar o patrão. Vamos buscar a reposição salarial, avançar na convenção coletiva e tudo mais que temos direito, e principalmente fazer uma campanha digna”, declara o presidente do Sindicato, Leandro Rodrigues, que se desligou da diretoria executiva da Federação por não concordar com algumas propostas apresentadas na última reunião na sede do Sindicato de São Paulo

RUPTURA

A decisão da diretoria executiva do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e Região em romper com a Federação dos Gráficos do Estado de São Paulo torna a Campanha Salarial um desafio ainda maior, porém os gráficos de Jundiaí tem o apoio maciço do movimento sindical da região, que irão apoiar os companheiros nesta luta.

De acordo com Leandro Rodrigues a decisão em romper com a Federação ocorreu pelo fato do Sindicato não concordar com o fato de haver uma proposta de intitulada de taxa negocial, além de outros pontos políticos. “Se permanecemos na diretoria da Federação até hoje foi por acreditarmos que poderíamos contribuir com um projeto em defesa dos trabalhadores, mas no mesmo dia em que percebemos que o projeto apresentado por outros sindicatos vai totalmente na contra mão dos nossos ideais rompemos imediatamente”, explica.

O presidente da Federação e também diretor sindical do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e região, Leonardo Del Roy, aprovou a decisão da diretoria executiva em romper com a Federação e alertou que os trabalhos para o sucesso da Campanha Salarial terá de ser triplicado.

“Se não queremos transgredir do ponto de vista da moral e do patrão, o processo terá de caminhar de forma coletiva, não tem outro jeito. Quem faz sindicalismo firme jamais vai precisar do patrão, pois nos somos a parte mais importante do processo”, afirma Del Roy.