GRUPO BOMIX RESPONDE AO SINDICATO E SE REÚNE AMANHÃ PARA FALAR DO EMPREGO E DIREITOS DOS GRÁFICOS DA RAMI

Os maiores temores dos gráficos neste período de pandemia é adoecer e perder o emprego, além do medo de perder a renda e direitos. No caso dos 115 gráficos da Rami (Jundiaí-SP) a preocupação é ainda maior.  A gráfica foi vendida. Pertencerá ao grupo baiano Bomix. A preocupação é geral. Todos os empregos serão mantidos? E os contratos de trabalho? Como fica a jornada de trabalho e os outros direitos já negociados com o sindicato? Preocupados com estas e outras questões, o Sindigráficos já partiu em defesa de todos. Abriu um canal de diálogo com o gestor da controladoria e jurídico da Bomix, Felipe Rigaud, que se reúne no sindicato nesta quinta-feira (19). Assim, nesta hora de mudança, o sindicato orienta a todos os trabalhadores da antiga Rami, associados ou não, que é crucial se fortalecerem através da sindicalização em geral.

“A sindicalização em massa fortalece nossa luta em defesa dos próprios trabalhadores da empresa e de toda região”, diz Leandro Rodrigues. Em relação as conversas preliminares com Felipe, por telefone, o gestor já adiantou para o sindicalista questões importantes sobre como ficarão os empregos e os respectivos contratos de trabalho e o acordo coletivo relativo à jornada semanal, firmado pelo sindicato com a Rami e válido até meados do próximo anos. Os detalhes serão debatidos justamente na reunião amanhã no Sindigráficos em Jundiaí.

Felipe já garantiu para o Sindigráficos que não há previsão de demissão neste momento de incorporação da Rami ao grupo Bomix. Não pretende realizar desligamentos. Visa manter todos os contratos de trabalho. Em relação ao acordo coletivo de trabalho relativo à jornada de trabalho, ele já adiantou que também respeitará na integralidade até julho de 2021.

Sendo assim, o acordo agora dos gráficos Bomix garante o revezamento entre os três turnos de serviço de modo que todos possam se beneficiar do trabalho somente de segunda a sexta-feira em um desses turnos. Também garante que a empresa forneça o café da manhã na entrada do turno e, a depender da situação, até na saída do referido expediente. A ação sindical também garante o feriado do Dia do Gráfico para todos. E, caso trabalhe neste dia, a empresa tem de pagar 150% de hora-extra. O Sindigráficos reforça a necessidade da categoria se sindicalizar em peso para fortalece a garantia de cada conquista e poder avançar mais depois