INDEX LABEL GARANTE JORNADA ALTERNANDO SÁBADOS E PARCELARÁ DÍVIDA COM FGTS NA CAIXA ATÉ QUINTA-FEIRA

Até a próxima semana, a Index Label, localizada em Cajamar, fará um contrato junto à Caixa Econômica Federal para realizar o pagamento do FGTS de seus gráficos que deixou de recolher desde agosto de 2016. A empresa se comprometeu em realizar o parcelamento do débito diante da cobrança contínua do Sindicato da classe (Sindigráficos) em reuniões realizadas no Ministério do Trabalho e na sede da entidade da classe há algumas semanas. No último encontro, também foram cobradas provas de que a gráfica não ultrapassa a jornada de trabalho de 44h semanais, bem como a demonstração de que o vale alimentação foi reajustado – ambas as exigências foram devidamente demonstradas e comprovadas. 

“A gráfica tem até a próxima quinta-feira (13) para realizar o contrato de pagamento parcelado do FGTS pendente”, lembra Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. A data limite foi definida durante a reunião dia 13 de junho. A empresa anunciou que faria em até 30 dias. Portanto, termina em 13 de julho. Caso não cumpra, os sindicalistas já adiantam que pedirão de imediato uma fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego, que autuará e multará a empresa se constatar tal problema. Além disso, os gráficos também serão chamados para procurar o órgão de classe para assim eles reivindicarem este direito via esfera judicial.

Em relação a cesta básica, a Index Label está de parabéns. Ela cumpriu a promessa de aumentar o valor em 31%. O vale alimentação pago em referência à cesta básica dos empregados subiu de R$ 83 para R$ 110. Quanto à questão da jornada de trabalho praticada pelos gráficos, ficou demonstrado que a Index está em sintonia com a lei, não ultrapassando as 44 horas semanais. Foi demonstrado ainda que os dois turnos que lá existem folgam em sábados alternadamente. Laboram em um e folgam no outro. “O primeiro turno é realizado semanalmente das 6h15 às 15h e o segundo turno das 15h às 22h”, conta Jurandir Franco, diretor sindical.

A meta inicial do Sindicato era fazer um Acordo de Jornada de Trabalho (ACT) para esta questão, mas a empresa continua se recusando já que cumpre a lei em relação às 44 horas semanais e ainda tem o serviço só em sábado alternado. Assim, o Sindigráficos adverte aos empregados que só haverá algum avanço neste sentido caso haja alguma  unidade e organização deles no local do trabalho e em torno do órgão de classe.

“Sindicalize-se, pois, por exemplo, além de maior proteção, podem lutar para ter o ACT onde garanta o feriado no Dia do Gráfico (7 de fevereiro), como nas empresas Jandaia, Redoma, Inapel e etc., bem como uma jornada de trabalho abaixo de 44 horas semanais, a exemplo da Emepê, Log&Print, Nova Página”, realça Valdir Ramos , diretor do Sindigráficos.