JANDAIA REDUZ RISCO NO SETOR DE APARAS E INVESTE R$ 300 MIL EM CLIMATIZADORES, MAS UM IMPASSE CONTINUA

Os 500 gráficos da Jandaia, em Caieiras, estão aliviados com algumas mudanças estruturais no interior da empresa. Investimentos no setor de aparas de papel, como exigia o Sindicato da classe (Sindigráficos), desde 2016, após denúncias dos trabalhadores sobre os riscos no local, foram anunciados agora durante a inspeção sindical no local junto com a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e técnicos de Segurança do Trabalho da empresa. Parte da área será isolada por cerca metálica e uma cobertura está sendo instalada para evitar a exposição direta dos profissionais da área às intempéries climáticas. Na ocasião, outro pleito anterior (desde 2015), a redução do calor no setor produtivo, também foi confirmado. Verificou-se a devida instalação de 10 climatizados na área. Todavia, a operacionalidade dos equipamentos e a referida quantidade diante do calor continuam em análise. Além disso, outro impasse que ameaça a saúde e aposentadoria dos gráficos que manipulam produtos químicos, considerados por eles insalubres, ainda não foram resolvidos. A Jandaia nega inicialmente que são insalubres, mas, perante exigência dos sindicalistas, aceitou fazer uma análise técnica. O Sindicato, por sua vez, avalia se realizará um outro estudo técnico paralelo ao da empresa.

As benfeitorias anunciadas para o setor de aparas já começaram. “Pude observar a estrutura metálica da cobertura da área. Falta agora cobrir. A cobertura protegerá do sol/chuva funcionários do local, que terão nova qualificação para evitar acidente de trabalho, como anunciou a Jandaia, além de garantir uma mudança nos procedimentos deste serviço para reduzir a sobrecarga de peso imposta aos profissionais”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos.

Além disso, como este setor fica no meio da empresa e centenas de funcionários passam pela área, uma grade de isolamento será montada, afastando-os de possíveis acidentes com a queda das pilhas de papel sobre eles. A empresa ainda garantiu manter todas as normas de segurança em relação a este empilhamento. As promessas foram registradas em ata e assim assinado por todos.

Na ocasião, foi confirmado a prometida instalação dos climatizadores na produção para baixar o calor e os uniformes de verão dos trabalhadores. A questão agora é manter a adequada operacionalidade das máquinas. O Sindicato continuará monitorando tudo e à disposição dos gráficos.

É por isso que está cobrando da empresa a devida informação se o local de trabalho é insalubre e também dizer os agentes insalubres no Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) dos gráficos, quando solicitados pelos trabalhadores. Não está descartado o ajuizamento da questão em caso dos sindicalistas comprovarem a questão e a empresa se negar.