JORNAL DE JUNDIAÍ VOLTA A CRIAR PROBLEMAS NO FGTS DOS GRÁFICOS E ATRASA 13º, SALÁRIO E VALE QUINZENAL

jj2

Apesar de ter garantido sanar antigos problemas no FGTS dos gráficos, e manter novos recolhimentos em dia, após a constatação de irregularidades por um fiscal do Ministério do Trabalho há anos, a pedido do Sindicato da categoria (Sindigráficos), o Jornal de Jundiaí volta a atrasá-los. Em assembleia com os empregados na última semana, foi revelado ao sindicato que a empresa tem depositado apenas o parcelamento da antiga dívida com o FGTS, mas nada do recolhimento mensal do período atual em curso. Na ocasião, outras irregularidades foram listadas pelos gráficos, como o atraso no pagamento do 13º, do salário de dezembro, além do atraso do vale quinzenal de janeiro, fato este constatado, visto que a assembleia fora realizada no último dia 28 e nada do vale.

jj1O Sindicato já acionou a empresa para apresentar soluções imediatas para as questões. A entidade, que espera a rápida confirmação da agenda do jornal para uma reunião na sede do sindicato, adianta que, exigirá a correção imediata do FGTS e o pagamento de multas pelos atrasos em relação ao pagamento do 13º e do salário, como determina a Convenção Coletiva de Trabalho do setor de Jornais e Revistas do Interior. “Por cada dia de atraso, o jornal deve pagar R$ 18,43”, diz Leandro Rodrigues, presidente do sindicato. O valor corresponde a cláusula da convenção onde diz que a multa deve ser de 1/60 do piso normativo do segmento, que hoje é de R$ 1.106.

jj0O Jornal de Jundiaí tem se esquivado de discutir sobre as irregularidades no sindicato, mas a entidade de classe adianta que não abre mão da reunião ocorrer na sede do Sindigráficos. “Se o imbróglio continuar, acionaremos  o Ministério do Trabalho para agendar uma reunião sobre a questão”, informa Jurandir Franco, diretor sindical. O sindicato inclusive lembrará ao órgão público que a empresa voltou a atrasar o FGTS, contrariando o então acordo realizado junto com auditor fiscal naquela ocasião, quando constatou tal irregularidade passível de multas.

O Sindigráficos, por sua vez, ressalta que não tem prazer em penalizar o jornal com a aplicação multas, incluindo aquelas pertinentes aos atrasos do pagamento do 13º e do salário, mas tais penalidades é o mínimo que a empresa deve fazer para buscar reduzir os problemas causados aos gráficos pelo atraso. “O ideal é que não haja atrasos de nenhum direito. Isso é melhor do que qualquer multa, além de ser obrigação do empregador”, diz um dos advogados do sindicato dos gráficos, Luis Laurindo, de volta à assistência jurídica da entidade de classe.

jj3Homologações

Há suspeitas de existir outra irregularidade no jornal, conforme denúncia de trabalhadores. Existem reclamações de que a empresa não têm feito a homologação no Sindigráficos da rescisão de contrato de ex-funcionários, como define a lei trabalhista. “A homologação deve ser realizada pela entidade de classe quando o trabalhador tiver mais de 12 meses no emprego”, conta Laurindo. O assunto será também inserido na pauta da reunião entre o sindicato e o Jornal de Jundiaí, seja ela realizada na sede do sindicato, ou no Ministério do Trabalho.