JUDICIÁRIO PERMITE CORREIOS REDUZIR 60 DIAS DA LICENÇA-MATERNIDADE E FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DIZ SER UMA DECISÃO SERVIL AO PATRONATO E DISTANTE DA JUSTIÇA REAL

Ontem, o Tribunal Superior do Trabalho julgou o dissídio coletivo dos trabalhadores/as dos Correios em todo o Brasil. A ministra relatora do caso, Kátia Arruda, votou para que todos os benefícios fossem mantidos, tendo em vista as comprovações de que, ao contrário do que alega a direção da empresa, a ECT contabilizou lucro. Porém, ainda assim, a maioria dos ministros votou ao contrário. Com isso, direitos como licença maternidade terá uma redução de 60 dias. “Essa decisão representa mais um ataque aos direitos da classe trabalhadora, e um retrocesso a nossa categoria. É mais uma mostra de como o Judiciário se mantém servil ao patronato, atuando de forma político partidária, e se mantendo distante do propósito de justiça e dignidade à classe trabalhadora”, disse José Rivaldo da Silva, secretario-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores/as dos Correios (Fentect) LEIA MAIS 


FONTE: Com informações da FENTECT