JUIZ RECEBE AÇÃO DO SINDICATO CONTRA SERIMAX QUE NEGA CESTA BÁSICA E ADIANTAMENTO DOS GRÁFICOS

paulo1 paulo2

Agora já está nas mãos do juiz da Vara do Trabalho de Itatiba o caso do descumprimento de direitos trabalhista da Serimax, gráfica situada no mesmo município. A empresa nega aos seus funcionários os direitos de receberem adiantamento quinzenal e cesta básica mensal, como recebe todos gráficos no Estado, conforme determina a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. A ação coletiva é resultado de uma processo protocolado pelo Sindicato da categoria (Sindigráficos) após muito tentar resolver as irregularidades com o dono da empresa, que se esquivou de todas as tentativas, até mesmo de reunião agendada pelo Ministério do Trabalho. Assim, o advogado do Sindigráficos, Paulo Afonso, solicitou ao magistrado o julgamento sobre estas irregularidades e outra questão.

jura“A ação visa evitar que a Serimax continue prejudicando mensalmente seus trabalhadores com o não pagamento do adiantamento quinzenal do salário, mais conhecimento por vale nas gráficas, além da cesta básica”, conta Jurandir Franco, diretor do Sindigráficos. A expectativa é que o julgamento ocorre no próximo ano. Além do pagamento imediato do adiantamento quinzenal e da cesta básica, o advogado do sindicato também solicitou no processo que a empresa pague a cesta básica pendente dos últimos cinco anos, como determina a legislação trabalhistas em relação ao tempo de cobrança do passivo em questão.

O resultado dessa ação vai beneficiar todos os gráficos da Serimax, até mesmo os que não estão mais trabalhando lá, mas que foram demitidos nos últimos cinco anos e não receberam o direito negado pela gráfica.

8 dr paulo (640x467) Dr. Paulo também incluiu no processo judicial para que a Serimax pague parcelas de Participação dos Lucros e Resultados atrasadas. A empresa deve a 2ª parcela da PLR que deveria ser paga em novembro de 2014 e ainda as 1ª e 2ª parcelas sem o devido pagamento neste ano. “Não tem essa de devo não nego e não pago. Direito é para ser cumprido”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos. Ele explica que, nestes casos que o patrão foge da sua responsabilidade, sempre entrará  com ação coletiva em favor da categoria pede cumprimento do direito.