JURÍDICO DA EMEPÊ ADIANTA PARA O SINDICATO O COMBATE À QUALQUER ASSÉDIO NA EMPRESA PARA QUE ISSO NÃO VOLTAR

Nas próximas semanas, os setores Jurídico e de Recursos Humanos da Emepê, situada em Vinhedo, vão se reunir com o Sindicato dos Gráficos (Sindigráficos) depois das denúncias dos trabalhadores sobre a volta das práticas de assédio moral e abuso de autoridade por parte de um líder do setor de Acabamento da gráfica. A informação foi confirmada pelo próprio advogado da empresa, Daniel Henrique Caciato. O jurista fez questão de ligar para o presidente do sindicato, Leandro Rodrigues, nesta semana. E em sua resposta preliminar às denúncias publicadas na coluna Boca no Trombone, da atual edição do jornal Gráficos da Luta do Sindigráficos, o jurista adiantou que a empresa discorda de quaisquer práticas abusivas.

“O advogado me ligou na última segunda-feira. E falou que vai apurar tais questões e coibir qualquer assédio moral e abuso de autoridade se existir. Também antecipou que fará estudos e treinamentos para que não ocorra”, conta Leandro. Assim, já ficou acertado uma reunião para a 2ª quinzena de julho para tratar do assunto de modo a ser corrigido efetivamente. O encontro, garantiu o jurista, será realizado não só com setor jurídico, mas também com o novo responsável pelos Recursos Humanos da Emepê. A presença do novo RH é indispensável, uma vez que já houve histórico de assédio e abuso de autoridade na empresa, sendo vital não deixar voltar.

“O objetivo da reunião é justamente tratar com o sindicato quais medidas internas serão aplicadas pra coibir e desencorajar qualquer um que queira praticar assédio moral ou abuso de autoridade. Estamos no aguardo”, fala Leandro. O dirigente adianta que aproveitará para falar de outros temas de interesse dos trabalhadores, a exemplo dos descontos de benefícios.

Dentre os assuntos adicionais, o Sindigráficos deve tratar do aumento dos descontos na tabela de benefícios oferecidos aos gráficos a partir deste mês. “Recebemos várias reclamações dos empregados de que houve um pequeno aumento nos descontos salariais em relação à cesta básica, ao vale-transporte e à refeição”, fala Leandro. A cesta básica tinha desconto simbólico e agora passou para 5%. A refeição também tem sido cobrada uma taxa sobre o salário. E o vale-transporte passou para 1%. Continua bem abaixo dos 6% permitidos pela lei. “Ainda assim, vamos discutir com a empresa os motivos do reajuste e a possibilidade de reavaliação”, conta.