MENOR SALÁRIO DOS TRABALHADORES DAS GRÁFICAS DO ESTADO SOBE PARA R$ 1.630,20 JÁ A PARTIR DE NOVEMBRO

A partir deste mês, haverá aumento de 4% no salário dos trabalhadores nas indústrias gráficas da maioria do estado de São Paulo. A exceção fica nas regiões do ABC paulista, Baixada Santista e na cidade de Campinas, que negociam diretamente com o sindicato patronal dessas localidades. Portanto, o reajuste de 4% é direcionado para a grande maioria da classe paulista que recebe até R$ 9.531,20. Dessa forma, o piso normativo subiu para R$ 1.630,20 e o valor da hora de trabalho dos gráficos é de R$ 7,41. Portanto, a partir da negociação coletiva liderada pela Federação Paulista dos Gráficos (Ftigesp), todas as gráficas das regiões abrangidas na nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) devem garantir tais valores agora na folha de pagamento de novembro, a serem pagos no próximo dia 5.

Quem recebe acima de R$ 9.531,20, será contemplado com o acréscimo de um valor fixo de R$ 381,25. Os profissionais aprendizes, independente de serem do Senai ou de outras escolas técnicas na área gráfica, também estão contemplados na CCT. O salário será atrelado proporcionalmente ao piso normativo. O aprendiz com até um ano na empresa deve receber 50% do referido piso. A partir de um ano, a remuneração sobe para 75%.

Além da recuperação das perdas salarias diante da inflação anual para a classe, a Ftigesp, em conjunto com os sindicatos das regiões envolvidas, garantiu a renovação completa dos direitos sociais e econômicos da CCT. Dentre os financeiros, destacam-se o valor da hora-extra superior ao das leis gerais do trabalho (CLT). Enquanto a CLT define o percentual de 50%, a convenção dos gráficos garante 65% se o serviço adicional for realizado de segunda à sábado, e 100% se feito no descanso semanal remunerado e feriado. O adicional noturno (35%) do gráfico também supera a CLT (20%). A cesta básica mensal com a lista de produtos alimentícios predeterminados pela convenção também continua obrigatória nas gráficas, bem como a opção da gráfica optar por um vale-compra no valor equivalente para comprar os itens alimentícios nos mercados comerciais.

O bônus financeiro anual além do 13º salário também continua presente. A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) está garantida em qualquer gráfica, independente do tamanho ou do tamanho do lucro ou não. Todos gráficos têm direito a receber PLR. O valor varia de acordo com o número de funcionários na empresa no ano anterior ao pagamento do benefício. Sempre pago em duas parcelas iguais, o valor total da PLR varia de R$ 605,72 a R$ 890,80, tendo faixas médias de R$ 659,20 e de R$ 766,06.

Aos trabalhadores nas empresas de reprodução reprografia, o salário teve aumento também. A menor remuneração, chamada de piso diferenciado, subiu para R$ 1.342. Com isso, estão beneficiados, por exemplo, gráficos que atuam em copiadores e afins. A nova CCT valerá até agosto de 2020. Leonardo Del Roy, presidente da Ftigesp, destaca ainda todas questões sociais e socioeconômicas garantidas na convenção até 31 de agosto de 2020, sendo possível ainda melhorar as cláusulas econômicas já em agosto do próximo anos.

FONTE:  FTIGESP