MERCADO GRÁFICO EDITORIAL JÁ REDUZ UM QUARTO DO SEU TAMANHO NOS TRÊS PRIMEIROS MESES DE GOVERNO BOLSONARO

A retração do mercado editorial, com as duas principais livrarias em crise, continua. No primeiro trimestre deste ano, o faturamento com as vendas encolheu 25% na comparação com o mesmo período do ano passado. Em número de exemplares, a queda é de 30% – ou 1,2 milhões de livros a menos. É o que mostra a última edição da pesquisa Painel de Vendas de Livros no Brasil, realizada pela Nielsen sob encomenda do Sindicato Nacional dos Editores. Esse é o levantamento mais preciso sobre o setor, porque a Nielsen chega a esses números diretamente no caixa das livrarias, supermercados e lojas de e-commerce que monitora.
A queda se explica principalmente pela diminuição nas vendas de livros infantis, juvenis e didáticos, cuja participação na receita total do mercado encolheu cinco pontos percentuais. No ano passado, ela tinha sido de 35% e agora foi de 30%. É uma queda acentuada. Para se ter ideia, no trimestre anterior, a queda de faturamento tinha sido de 15% em relação ao mesmo período um ano antes.
FONTE: Com informações da FOLHA