MESMO NA PANDEMIA, SINDIGRÁFICOS E COMISSÃO DE FÁBRICA NA EMEPÊ GARANTEM PAGAMENTO DE PPR E AUMENTO DE 12%

Apesar da gráfica Emepê já ter se recuperado após meses afetadas pelo impacto econômico devido à pandemia, reativando o 3º turno de produção e contratando quase 40 empregados, restabelecendo os 230 profissionais de antes da crise, as metas do Programa de Participação dos Resultados (PPR) foram impactadas. Apesar de não terem atingido as metas, graças a um acordo firmado pelo Sindigráficos para o período de março a agosto, respaldado pela comissão de gráficos da fábrica, todos os trabalhadores não só receberam sua PPR, mas também o benefício continuou tendo o valor bem superior à PLR das demais gráficas.  Além disso, em reunião recente com representantes da empresa, comissão de trabalhadores e o Sindigráficos, um novo acordo de PRR foi celebrado para o período de setembro/20 a fevereiro/21. Nele, continua garantido um pagamento de R$ 754, mesmo sem o atingimento de metas. E também ampliaram em 12% o valor da 2ª faixa de metas, caso alcançada, subindo de R$ 1,5 mil para R$ 1,7 mil.

“Estão de parabéns todos os envolvidos nesta negociação conosco, com destaque para comissão de trabalhadores, em especial Márcio de Sousa, sindicalista de base na Emepê. A empresa merece ser reconhecida pela forma séria com que tratou e encaminhou a questão, sobretudo diante da pandemia e de suas incertezas”, conta Leandro Rodrigues, presidente do Sindigráficos – entidade fundamental não só nas tratativas com a gráfica, mas também no acompanhamento e defesa para o cumprimento de tudo.

O novo acordo de PPR garante valores de R$ 754 a R$ 1,7 mil. O período a ser analisado as metas iniciou agora em setembro e segue até fevereiro do próximo ano. O pagamento deve ser feito até abril de 2021. Os termos foram definidos em reunião com a comissão de fábrica, representante da empresa e Sindigráficos, representado por Márcio, no último dia 31. Terão três valores distintos, dois relacionados a metas atingidas (R$ 1.150 para faixa 1 e R$ 1.7 mil para faixa 2) e o de R$ 754 quando não atinge a meta. Ambos os valores, de qualquer faixa, referem-se a seis meses de serviço.

Para Márcio e a comissão de empregados da Emepê, as metas colocadas para primeira e segunda faixas são factíveis de serem alcançadas, cujas, infelizmente, não foram atingidas de março a agosto deste ano em função da pandemia. A novidade no novo acordo de PPR foi o acréscimo de 12% no valor da 2º faixa. Se alcançada, os trabalhadores receberão R$ 1,7 mil. “Além da conquista desse acréscimo, a renovação do acordo também é uma grande vitória para categoria, garantindo uma PPR com ou sem meta para todos, mesmo enfrentando uma pandemia”, destaca o Sindigráficos.