METROVIÁRIOS ENFRENTAM OS DESAFIOS DA PANDEMIA COM A INTRANSIGÊNCIA PATRONAL E GARANTEM TODOS OS SEUS DIREITOS 

Ao invés da redução do adicional noturno, dos valores de horas extras de 100% para 50% e da contribuição da empresa para o plano de saúde dos trabalhadores do metrô, o governo João Doria (PSDB) e a Companhia do Metropolitano de São Paulo voltou atrás da imposição após a categoria  decretar paralisação há dois dias. Os direitos foram mantidos independente da pandemia do coronavírus, como tentou como o governo tentou usar este pretexto para atacar os direitos históricos. Isso demonstra, mais uma vez, para todas as categorias profissionais, a exemplo dos trabalhadores gráficos, que somente só a luta garante direitos. LEIA MAIS 


FONTE: CUT-SP