MOBILIZAÇÃO CONTRA A PEC 241 (PROPOSTA DE CONGELAR GASTOS POR 20 ANOS) COMEÇA A GANHAR AS RUAS DE SP

241
A primeira mobilização nas ruas contra a PEC 241, que estabelece um teto para os gastos públicos por até 20 anos, reuniu cerca de 10 mil pessoas nesta segunda-feira em São Paulo. O ato, convocado em mais nove cidades para ocorrer simultaneamente, saiu da frente do MASP às 19h30. Por volta das 21h30, chegou ao ponto final: a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), na avenida Brigadeiro Faria Lima, zona oeste da cidade. Horas antes do início do protesto, militantes do MTST, dos sem-teto, ocupavam o escritório da presidência, na avenida Paulista, por moradia e contra a PEC 241. Na próxima segunda-feira (24), ocorre a segunda e última votação da PEC na Câmara. Se aprovada, o texto passará por duas votações no Senado para se tornar lei. A PEC 241 terá grande impacto negativo sobre o salário mínimo e o investimento em programas sociais, além dos direitos básico, como a saúde e educação públicas. A CUT chegou a publicar um vídeo com artistas, como Wagner Moura, Beth Carvalho e Osmar Prado, contrários à PEC. CONFIRA! Usam a música Apesar de você, de Chico Buarque, composta durante a ditadura militar, para se referir aos feitos de Temer. 
2411Do outro lado, o governo Temer usa da guerra publicitária para ludibriar a população sobre as mazelas do congelamento dos gastos públicos por 20 anos. Enquanto as ruas começam a testar a capacidade de mobilização contra a PEC que pode ter impacto sobre o salário mínimo e o investimento em programas sociais, o Governo Temer usa sua munição publicitária para melhorar a imagem de uma das suas mais polêmicas propostas até agora. A escolha da marca #EquilíbrioDeContas para tratar dos temas ligados à PEC 241 explicita a mensagem que o presidente quer passar, de que a nova regra fiscal é a maneira de tentar interromper a curva ascendente do gasto público e ajudar na saída do país da recessão. O equilíbrio fiscal do Temer, por sua vez, que se dá somente sobre a classe trabalhadora e os mais pobres neste Brasil, mas cadê as medidas para os ricos?
FONTE: Com informações El Pais